Notícias

Fundações/UEMG

9 de agosto de 2013

Transferência, mas com transparência

O Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro Minas) defende historicamente como princípio o ensino público, gratuito, laico e de qualidade para todos. Esse posicionamento foi consolidado ao longo do tempo em congressos realizados pelos professores mineiros. Apoiamos a ampliação e consolidação da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), como uma instituição pública capaz de transformar as várias regiões do Estado de Minas Gerais, a partir de um novo projeto de desenvolvimento econômico e social que seja vinculado à ciência e tecnologia.

Esse projeto de desenvolvimento poderá alterar substancialmente o atual modelo em curso no Estado, intrinsecamente vinculado às explorações de commodities minerais e vegetais. Um desenvolvimento que proporcione a exploração de novas áreas do conhecimento e que agregue valor à produção a partir de novas tecnologias. Um desenvolvimento que inclua a sociedade e que seja referenciado na sustentabilidade socioambiental. Que contribua tanto para a democratização do acesso à educação e à cultura acadêmica de nível superior e gratuita, como para ampliar a integração humana, cultural e regional das várias Minas.

Há cerca de duas décadas, o Sinpro Minas vem defendendo, como parte desse projeto, a estadualização das fundações educacionais associadas à UEMG, todas constituídas com generosos aportes do erário público mineiro. Durante todo esse tempo, os governos estaduais que passaram pelo Palácio da Liberdade e pela Cidade Administrativa, abandonaram deliberadamente a condução e a conclusão desse processo aprovado na Constituinte de 1989.

Em 2013, o atual ocupante do Governo de Minas retomou essa bandeira histórica da comunidade acadêmica e do Sinpro Minas. Em julho, o Projeto de Lei  3.948/2013, de autoria do Governo do Estado, que dispõe sobre a absorção das fundações educacionais de ensino superior associadas à UEMG, foi aprovado pela Assembleia Legislativa e sancionado pelo governador.

A lei 20.807/2013, que entrou em vigor no dia 27 de julho, prevê a estadualização de seis fundações: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Carangola; Fundação de Ensino Superior de Divinópolis; Fundação Educacional do Vale do Jequitinhonha; Fundação Educacional de Ituiutaba; Fundação Cultural de Campanha da Princesa; e Fundação de Ensino Superior de Passos.

Nossa expectativa é que, a partir de agora, esse projeto não passe de “golpe eleitoral”, prática retomada pelo poder político hegemônico em Minas Gerais, para aliciar eleitores crédulos, quando se aproximam as eleições. A falta de transparência e a tramitação realizada “a toque de caixa” na Assembleia Legislativa são elementos que geram desconfiança. Queremos que, a partir dessa nova lei, a estadualização aconteça de fato, transformando as seis fundações em unidades da UEMG, de forma a garantir um ensino público, gratuito, laico e de qualidade à população de Minas Gerais.

O Sinpro Minas defende, ainda, que a incorporação dessas unidades resguarde a necessária autonomia universitária, seja do ponto de vista acadêmico-científico, seja do administrativo-financeiro. Em muitas dessas fundações são observadas práticas políticas, administrativas e pedagógicas estranhas ao ambiente universitário.

O controle realizado por caciques políticos locais, muitas vezes, leva essas fundações a serem conduzidas por profissionais com pouco conhecimento administrativo, científico e educacional. O reconhecimento dessas funções e a consequente construção da reputação, de quem delas se ocupa, devem ser feitas pelos pares, pelos especialistas do assunto, por quem domina a matéria e não por meio de leigos e apadrinhados. Esse não é tão somente um procedimento acadêmico clássico, mas aquele que historicamente melhor tem realizado as finalidades de pesquisa e produção de conhecimento.

Para cumprir tal finalidade, a UEMG precisa contar com recursos financeiros do tesouro do Estado de Minas Gerais, em quantidade suficiente para garantir  remuneração adequada ao seu corpo docente e técnico-administrativo, e também ensino, pesquisa e extensão de alta qualidade, tão imprescindíveis ao novo projeto de desenvolvimento econômico e social que defendemos.

Para o Sinpro Minas, a estadualização das fundações, além de não poder ser elemento variável do cálculo eleitoral de campanha do político local, não deve deixar um rastro de destruição social e ser realizada sob a ruína do labor de quem, no dia a dia, construiu o patrimônio que será transferido à Universidade do Estado de Minas Gerais.

O Governo do Estado tem obrigações trabalhistas com o corpo docente e técnico-administrativo das fundações, que ele não só ajudou a construir como foi inoperante no processo de implantação da UEMG no território mineiro, como reconhece o “Parecer de 1º Turno”, realizado pela “Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia”, publicado no “Diário do Legislativo” em 20/06/2013, sobre o “PL 3948 2013”, pois se utilizou desse grupo de profissionais em sua política educacional superior, como atesta o mesmo “Parecer” no histórico de todo processo.

Contudo, sabedor de que esse acontecimento ainda em curso (a expansão da UEMG e a consequente estadualização das fundações associadas), até o momento se mostrou sem nenhuma transparência, é que o Sinpro Minas vem publicamente reafirmar a sua defesa intransigente dos direitos trabalhistas e sociais dos trabalhadores destas fundações. Sabemos perfeitamente do posicionamento político-ideológico do atual governo de Minas e da grande maioria dos deputados estaduais, responsáveis pelo processo de estadualização das fundações, de claro viés liberal e/ou neoliberal. A ausência de diálogo com os trabalhadores indica potencialmente o descumprimento de direitos trabalhistas e sociais daqueles que, ao longo do tempo, construíram essas fundações educacionais.

O Sinpro Minas conclama todos os colegas das fundações envolvidas no processo de estadualização da UEMG a se mobilizarem para que todos os valores devidos aos professores e demais profissionais sejam pagos, e os direitos históricos dessa categoria sejam respeitados.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha