Notícias

Governo de Minas acabará com fundações de ensino ligadas à Uemg

12 de junho de 2013

O governo de Minas pretende extinguir até o fim deste ano seis fundações de ensino superior vinculadas à Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg). O projeto de lei nº 3.948, de 2013, que estadualiza as instituições, vai atingir pelo menos 8,4 mil alunos que serão automaticamente transferidos para a universidade estadual. Ainda não se sabe se eles continuarão pagando mensalidade ou se o ensino passará a ser gratuito.

A polêmica reside no fato de professores e funcionários dessas instituições não poderem se manter nos cargos, já que as vagas serão preenchidas por meio de concurso público. Os editais devem ser publicados pelo governo até 120 dias depois do fim do processo, de acordo com o projeto de lei. Não se tem ainda o número de pessoas atingidas pela proposta.

Nesta quarta-feira (12) será realizada audiência pública pela Comissão de Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa para discutir o projeto.

Dificuldades

Especula-se que essas fundações estejam passando por dificuldades financeiras, com queda na qualidade do ensino

A proposta prevê que a Uemg absorva o ativo das fundações e que todo o passivo seja transferido ao Estado. Ainda não existe um balanço do tamanho da dívida dessas instituições e quanto será gasto pelo governo para concluir o processo, segundo informou a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Serão estadualizadas primeiro as fundações com menor número de alunos e maiores problemas financeiros. Segundo o secretário Narcio Rodrigues (PSDB), a Fundação Educacional do Vale do Jequitinhonha, sediada em Diamantina, será a primeira a ser estadualizada, seguida pela Fafile, de Carangola, na Zona da Mata, e pela Fundação Cultural Campanha da Princesa, de Campanha, no Sul de Minas.

Mais cursos

Também serão absorvidas pela Uemg as fundações localizadas em Divinópolis, na região Centro-Oeste; Ituiutaba, no Triângulo Mineiro, e Passos, no Sul do Estado.

“A aprovação do projeto significará a transformação da Uemg na terceira maior universidade pública do país, ficando atrás apenas da UFMG e da Universidade Federal de Uberlândia (UFU)”, registrou Narcio Rodrigues.

Ao fim do processo, previsto para dezembro, o número de cursos oferecidos pela Uemg passará de 32 para 112; o de alunos aumentará de 5.600 para 15 mil, e o de professores, de 853 para 1.800.

Fonte: Ana Flávia Gussen – Hoje em Dia – 12/06/2013

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha