Notícias

Governo Lula vai reajustar em 40% bolsas de mestrado e doutorado

16 de fevereiro de 2023

O governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciará o reajuste nas bolsas de pós-graduação e pesquisa pagas pelos órgãos de fomento do governo federal. O aumento para benefícios de mestrado e doutorado será de 40%. A ampliação do valor das bolsas foi uma promessa de campanha do petista.

No mestrado, a bolsa passará de R$ 1.500 para R$ 2.100 mensais e, no doutorado, de R$ 2.200 para R$ 3.100.

Os auxílios também vão aumentar para bolsas de pesquisadores no pós-doutorado. Subirão de R$ 4.100 para R$ 5.200.

A Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) tem ativos, no total, 99 mil bolsistas na pós-graduação. Destes, 44 mil são de mestrado, outros 51 mil, de doutorado e 4.400, de pós-doutorado.

Ligada ao MEC (Ministério da Educação), a Capes é responsável pela regulação e fomento da pós-graduação brasileira. Os valores das bolsas não eram reajustados desde 2013.

Caso fosse aplicada a inflação do período, as bolsas de mestrado e doutorado deveriam passar por um reajuste de 72% para que o poder de compra fosse o mesmo de 2013.

Também serão reajustados os valores das bolsas fornecidas pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), nos mesmos moldes. O órgão, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, reúne cerca de 77 mil pesquisadores bolsistas.

Durante o governo Jair Bolsonaro (PL), houve redução de número de bolsas, mudanças em áreas prioritárias e atrasos de pagamentos. No fim da gestão, no entanto, houve recuperação no volume de bolsas concedidas, que ficou praticamente estável à realidade de 2018, último ano do governo Michel Temer (MDB).

O atual governo afirma que vai recompor a quantidade de bolsas oferecidas. No caso do mestrado, por exemplo, em 2015 havia 58,6 mil bolsas, número que caiu para 48,7 mil em 2022, redução de quase 17%. Agora, a estimativa é de que sejam ofertadas 53,6 mil.

Os alunos de iniciação científica no ensino médio também vão ser contemplados. Serão 53 mil bolsas para estimular jovens estudantes a se dedicar à pesquisa e à produção de ciência que vão passar de R$ 100 para R$ 300.

As bolsas para formação de professores da educação básica terão reajuste entre 40% e 75%. Em 2023, haverá 125,7 mil bolsas para preparar melhor os professores, peça central na elevação da qualidade do ensino básico. Atualmente, os valores dos repasses variam de R$ 400 a R$ 1.500.

A Bolsa Permanência terá o primeiro reajuste desde que foi criada, em 2013. O auxílio financeiro é voltado a estudantes quilombolas, indígenas e em situação de vulnerabilidade socioeconômica matriculados em instituições federais de ensino superior. A intenção é contribuir para a permanência e diplomação dos beneficiários. Os percentuais de aumento vão variar de 55% a 75%. Atualmente, os valores vão de R$ 400 a R$ 900.

Fonte: Folha de São Paulo 
Foto: Fábio Rodrigues – Agência Brasil 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha