Notícias

Grande lição de 2019, defesa da educação pública tende a ecoar em 2020

“Tsunami da educação” pode parecer adormecido, mas história ensina que vozes foram – e serão – ouvidas em todas as esferas de governo

Em meio a cortes orçamentários das universidades federais, instituto federais de ensino tecnológico e agências fomentadoras de pesquisa científica, mais de 200 cidades em todo o país tiveram em 15 de maio grandes manifestações em defesa da educação. Foi o “tsunami da educação“. De lá para cá nenhuma outra causa uniu tanto os brasileiros. Não nas ruas.

Apenas cinco meses depois, em 18 de outubro, o Ministério da Educação (MEC) anunciou o “descontingenciamento total” do orçamento das universidades federais, que em maio tiveram corte que totalizou R$ 2 bilhões. Mas os repasses chegaram a 97% de empenho e 86% de execução, segundo o portal da transparência. A educação básica, que havia sofrido cortes de R$ 680 milhões, recebeu efetivamente 2% do orçamento —30 milhões de R$ 1,7 bilhão previsto. No Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), por exemplo, foi empenhado 52% do orçamento de R$ 2 bilhões, e pagos 49%.

Embora seja muito difícil fazer previsões, especialmente quando se trata do governo de Jair Bolsonaro, a história ensina que manifestações populares intensas como essas não trazem impactos apenas no momento. Ecoam durante muito tempo e são sentidas em várias esferas de governo.  Tanto que em 16 de dezembro, 20 estudantes secundaristas ocuparam o colégio Lênio Vieira de Moraes, em Barueri, na Região Metropolitana de São Paulo contra o encerramento parcial das atividades anunciado pela prefeitura, responsável pelo estabelecimento.

O movimento foi inspirado em outro momento importante da defesa da educação: entre 2015 e 2016, alunos de diversos estados –começou em São Paulo – ocuparam suas escolas para defendê-las da extinção. Tiveram apoio não só de pais e professores como da maior parte da sociedade.

Para o  professor Alvaro Chrispino, que atua nos programas de pós-graduação do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), as manifestações em defesa do ensino público, em todos os níveis, da pré-escola ao ensino médio, serão sentidas em várias esferas de governo.

“A sociedade percebeu que a escola pública é um patrimônio seu, passou a reconhecê-la como sua e por isso aprendeu a cuidar. E aos poucos vem aprendendo a reivindicar uma escola pública de qualidade não só na gestão como na aprendizagem, que são coisas diferentes, mas complementares. A manifestação da sociedade nas ruas demonstra com clareza que ela percebe a escola pública como seu patrimônio”, avalia Chrispino.

Segundo ele, o que se espera para este ano que acaba de chegar é que uma nova proposta permita a retomada do orçamento mínimo para a subsistência do sistema federal de ensino superior e para as políticas nos estados e municípios com apoio da União. E que a sociedade cuide cada vez mais do patrimônio do qual se apropria.

Fonte: Rede Brasil Atual

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha