Notícias

Greve Nacional da Educação: A quem serve o desmonte da universidade pública?

14 de maio de 2019

A notícia veiculada ontem (13) e repercutida nesta terça-feira pelo Portal da Contee não é uma surpresa: em meio ao bloqueio de 30% no orçamento das universidades e institutos federais, as ações dos seis maiores grupos educacionais que atuam no Brasil — Kroton Educacional S/A (Anhanguera, Unopar, Pitágoras), Estácio Participações S/A (Estácio de Sá), Gaec Educacão S/A (São Judas e UniBH), Ser Educacional S/A (Univeritas, Uninassau), Laureate Education Inc (Anhembi Morumbi e FMU) e Adtalem Global Education (Ibmec) — registraram alta na bolsa de valores, e isso a despeito de própria Bovespa ter tido baixa.

É claro que assim seria. O corte orçamentário que atinge as universidades públicas serve escancaradamente ao propósito privatista do governo Bolsonaro e dos lobistas da educação que estão com ele. O desmonte da educação pública é um projeto, que se retroalimenta do processo de financeirização, oligopolização e desnacionalização do ensino superior no Brasil — que vem sendo denunciado há mais de uma década pela Contee, com a campanha “Educação não é mercadoria” — e o intensifica. O próprio noticiário passou a apontar cada vez mais frequentemente o parentesco perigoso da vice-presidente da Associação Nacional de Universidades Privadas (Anup), Elizabeth Guedes, com o ministro da Economia, Paulo Guedes, de quem é irmã, e o quanto o Ministério da Educação, comandado primeiramente por Ricardo Vélez Rodríguez (que acelerou a aprovação de novas IES privadas em 70%) e, agora, por Abraham Weintraub, está alinhado e subserviente às ingerências do capital privado. Mais: cúmplice.

No ano passado, após as eleições, mas mais de um mês antes de o atual governo tomar posse, a coordenadora da Secretaria-Geral da Contee, Madalena Guasco Peixoto, publicou artigo sobre o tema no site da Carta Educação, no qual apontava o crescimento de duas forças relativamente diferentes, mas complementares: “de um lado, a sanha privatista por mais e mais verbas públicas para ampliar seus lucros; de outro, o papel, no golpe de 2016, dos grandes oligopólios educacionais representados pela diretora da Anup, como a Kroton Educacional S/A, a Anhanguera Educacional Participações S/A (incorporada, em 2014, à Kroton) e a Estácio Participações S/A — empresas que, diga-se de passagem, cresceram substancialmente durante os governos Lula e Dilma, mas que não hesitaram em se aliar aos golpistas à medida que o governo passou a não corresponder mais a seus interesses.”

A reforma da Previdência, contra a qual a Greve Nacional da Educação que acontece nesta quarta-feira, 15 de maio, foi convocada a priori, serve ao capital financeiro. Os cortes nas instituições de ensino federais, que visam o desmonte da educação pública, gratuita e de qualidade socialmente referenciada, também servem. Mas, justamente porque o inimigo é comum, o corte no orçamento das universidades públicas veio a engrossar a mobilização deste dia 15, com a paralisação, em todo o país, nas escolas públicas e privadas, da educação básica ao ensino superior, de professores, estudantes e técnicos administrativos. O desmonte da universidade pública atende às mesmas forças que querem o desmonte da Previdência pública: banqueiros, grandes empresários, rentistas. Contra elas estaremos nas praças e nas ruas.

Dia 15 de maio é Greve Nacional da Educação!

Por Táscia Souza para o portal da Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha