Notícias

Greves de 2017 comprovaram eficácia da luta contra o capital

20 de setembro de 2018

Por Carlos Pompe, da Contee

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgou um panorama das greves do Brasil em 2017. Trata-se do último levantamento das lutas do proletariado brasileiro antes do golpe do capital contra o trabalho promovido pelos burgueses e seus agentes incrustados no Executivo, Legislativo e Judiciário. Em dezembro de 2017 a legislação trabalhista foi revogada pelos golpistas. Antes, três protestos nacionais foram realizados contra as reformas previdenciária e trabalhista propostas por Temer e seus aliados: a greve de 15 de março, a greve geral de 28 de abril e os protestos e paralisações de 30 de junho.

Os dados foram extraídos do Sistema de Acompanhamento de Greves (SAG-Dieese), obtidos em jornais impressos e eletrônicos, na grande mídia e na imprensa sindical. Foram registradas 1.566 greves, a maior parte da esfera pública (814). Cerca de 54% das greves acabaram no mesmo dia em que foram deflagradas e 16% duraram mais de dez dias. Das 295 paralisações que informavam o número de grevistas, 59% reuniram até 200 paradistas e 6% mais de 2 mil. Houve 544 (35%) greves de advertência (anúncio antecipado de seu tempo de duração) e 949 (61%) por tempo indeterminado.

A proporção de movimentos organizados por empresa ou unidade preponderou (59%) em relação aos movimentos que abrangeram toda a categoria. No ano passado, 81% das greves defendiam direitos já conquistados, sendo que mais da metade (56%) se referia ao seu descumprimento. Em 44% das greves, exigia-se regularização de vencimentos em atraso (salários, férias, 13º ou vale salarial). A reivindicação por reajuste de salários e pisos motivou 32% das paralisações.

Funcionalismo e esfera privada

Das 570 greves do funcionalismo (36% do total) sobre as quais se soube o desfecho, 78% lograram algum êxito, o que demonstra continuar a ser um eficaz instrumento de luta. Reivindicações de reajuste dos salários e pisos foram as mais frequentes nas pautas dessas greves (48%). Em seguida, a regularização de vencimentos em atraso (salários, férias ou 13º), presente em 26%. Destas, 63% obtiveram alguma conquista.

O Dieese registrou 746 greves na esfera privada, com mais de 33 mil horas paradas. As greves no setor de serviços corresponderam a 76% dessas mobilizações e a 77% das horas paradas. Cerca de 55% dessas greves foram encerradas no mesmo dia e 11% duraram mais de dez dias. Quase 3/4 foram por tempo indeterminado (74%) e aproximadamente 21% foram de advertência. Das greves nas empresas privadas, 87% reivindicavam o cumprimento de direitos.  Alimentação, transporte e assistência médica foram incluídos em 28% dessas paralisações. A luta por reajuste dos salários e pisos ocupou o terceiro lugar de importância (17%).

A maioria dos movimentos contra empresas privadas (82, ou 48%) foi de metalúrgicos. Na construção ocorreram 45 greves (26%); e nos químicos, 25 (15%). Em 77% constava ao menos um item defensivo e cerca de 60% denunciavam o descumprimento de direitos.

Terceirizados

Segundo o Dieese, “as principais características observadas nas mobilizações de 2017 – categorias de trabalhadores envolvidos e caráter das pautas de reivindicações – continuam a reafirmar a permanência do grande ciclo grevista que emergiu mais claramente a partir de 2012”. Desse ano em diante, trabalhadores terceirizados que atuam em empresas contratadas pelo setor privado (vigilantes, recepcionistas e encarregados de limpeza) e os terceirizados de empresas contratadas pelo poder público (coleta de lixo e limpeza pública, rodoviários do transporte coletivo urbano, enfermeiros e outros profissionais das Organizações Sociais de Saúde) se destacaram nas lutas.

“Também tiveram notoriedade as paralisações promovidas por trabalhadores da construção envolvidos em grandes obras e por professores municipais na luta pelo pagamento do Piso Nacional do Magistério” aduz o Dieese.

Em 2013, cerca de 20% da pauta grevista era por atraso no pagamento de salários, 13º ou gratificação de férias. Em 2016, pulou para 42% – proporção que se manteve em 2017. “Os reveses no mercado de trabalho, com o aumento do desemprego e o recuo nos números do trabalho formalizado, certamente têm impacto negativo na disposição do trabalhador para a greve, especialmente na esfera privada. Entre os servidores públicos, por outro lado, a crise fiscal do Estado tem funcionado como um incentivo à deflagração de greves”, observa o Departamento.

Em suas considerações finais, os autores do relatório (Rodrigo Linhares; Luís Augusto Ribeiro da Costa, revisão; Guilherme Akira Nishio e Leonardo Judensnaider Knijnik, estagiários) registram: “Mesmo que a quantidade de mobilizações grevistas tenha diminuído – as 1.566 greves registradas em 2017 significaram uma queda de 25% em relação às 2 mil greves anuais registradas entre 2013 e 2016 –, esse número ainda é bastante superior aos registrados em período anterior a 2013, quando o patamar variava ao redor de 500 greves anuais”.

Contra a reação, a ação: os trabalhadores resistem!

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha