Notícias

Homenagem ao Dia do Professor

18 de outubro de 2011

Cada um de nós decide

 

Cada um de nós decide

De sua vida o rumo.

Também a instituição, em revide,

O faz, rompendo os penhascos,

Colhendo nossas aspirações

Em seu céu, ou nosso inferno.

 

Por isso, a sede e fome abruptas

Dentro de meu peito.

 

A instituição nos emprega,

Ela nos desemprega,

Aumenta ou reduz nosso salário.

Escolhe o sistema de saúde e a educação…

O que lhe é necessário.

É poderosa:

Nos salva ou nos condena,

Nos insere ou nos exclui,

Gratifica ou nos pune.

E como diz o poeta Maiakowisk:

“Depois de entrar em nossa casa…

Já não podemos fazer nada!

 

Por isso, espinhos ferem o meu peito.

 

Por isso, em meu peito,

A chaga que já derrama a vermelha lágrima.

 

Se não pararmos esse ato contínuo,

Estaremos em eterno desgaste.

Dias e anos se passam

E sempre me escondo como um traste,

No assomo branco das ondas,

Ou no bravio mar que esmaga.

 

Por isso, não me deixo levar,

Sem me debater,

Nem de noite, nem de madrugada.

 

Não à renúncia do poder

De quem tem o poder…

Para o bem ou para o mal.

Quero a ânsia de ser sujeito,

De decidir, em conjunto, em solidariedade,

De ser agente da liberdade,

Sujeito de meu destino,

De soar com o som forte ou macio do sino.

 

Por isso, dentro de meu peito,

O cordeiro manso e o feroz lobo.

 

Expresso-  me nos canais,

Os mais diversos.

E peço para ser ouvido.

Certamente, sua consciência não age

Como papagaio de pirata.

É preciso caminhar, influindo no poder

De quem quer apresentar meu destino.

 

Por isso, dentro de mim

Floresce uma muda de rosas.

 

E aos poucos, vou resmungando…

Já sou como arrulho das fontes.

Descubro o rio preso em suas margens,

E as margens protetoras do curso de suas águas.

 

Por isso, entendo

O furor e a mansidão,

O grito de zanga

Não há mais lugar para covardes.

Necessário é buscar libertação.

 

Vou-me transformando em ponte.

Aparecem até novas amuradas.

E, dentro de mim,

Um trabalho cidadão e silencioso prateado.

Abro a mão esquerda

E me acendeio,

Na busca soberba da vida

 

Por isso dentro de meu peito

A busca incansável de libertação.

 

Heleno Célio Soares – Professor e diretor do Sinpro Minas – Outubro de 2011

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha