Notícias

Instituto Patrícia Galvão divulga dossiê sobre feminicídio

16 de novembro de 2016

Instituto Patrícia Galvão divulga plataforma digital sobre feminicídio. O Brasil convive com violências cotidianas contra as mulheres, o que resulta em um destaque perverso: é o 5º país com maior taxa de assassinatos femininos no mundo, segundo o Mapa da Violência 2015.

Nomear o problema – o feminicídio – é certamente um passo fundamental, mas é preciso conhecer sua dimensão e desnaturalizar práticas, enraizadas nas relações pessoais e instituições, que colaboram para a perpetuação da violência contra as mulheres até o desfecho fatal.

Para contribuir nesta frente, o Dossiê Feminicídio #InvisibilidadeMata busca elencar e debater perguntas essenciais que precisam ser respondidas com urgência: o que é feminicídio? Como e por que morrem as mulheres? Por que mulheres negras morrem mais? Qual é a real dimensão do problema no Brasil? Como evitar ‘mortes anunciadas’? Além da violência doméstica e familiar, quais outras violências estão por trás desses assassinatos? Qual é a relação entre a violência contra as mulheres e outros contextos de insegurança pública? O Estado, por ação direta ou omissão, colabora para a ocorrência desses crimes? Como enfrentar esse problema nas diferentes realidades em que vivem as mulheres em um país extenso e diverso como o Brasil?

Para debater estas e outras questões de modo objetivo, porém sem perder a profundidade que o tema demanda, foram consultadas diversas pesquisas, dados, documentos e legislações de referência. Também foram entrevistadas dezenas de especialistas de todas as regiões do país – pesquisadoras, operadores do Direito, profissionais que atuam no enfrentamento à violência, gestores, peritos, delegados, ativistas feministas, antirracistas e que defendem direitos de mulheres lésbicas, bis, transexuais, travestis e outros.

Dossiê Digital

O resultado está sistematizado em uma plataforma interativa para acesso via internet, com conteúdos organizados para garantir a autonomia de quem acessa o Dossiê, seja para consultas específicas ou para saber mais sobre o tema de um modo geral. Procura dar autonomia também para o uso das informações – todo o conteúdo está sob uma licença Creative Commons que permite a livre reprodução, desde que citada a fonte.

O Dossiê Feminicídio é, assim, uma ferramenta de suporte para que jornalistas, comunicadoras, pesquisadoras, ativistas e interessados em geral possam pautar e debater questões fundamentais, cobrar direitos e desconstruir discriminações, contribuindo para evitar que mortes anunciadas sigam acontecendo sem provocar impacto na opinião pública e nem respostas satisfatórias das instituições do Estado.

Acesse o dossiê: http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/dossies/feminicidio

#InvisibilidadeMata

Junto à publicação deste Dossiê, o Instituto Patrícia Galvão está lançando um chamado a todos e todas que atuam com a comunicação, pedindo que profissionais de imprensa e blogueiras ajudem a visibilizar a gravidade do problema no Brasil e que publiquem matérias com as histórias de vítimas de feminicídio ou que debatam o problema com a #InvisibilidadeMata.

Assim, diversas plataformas e veículos somam esforços para pautar o tema simultaneamente, contribuindo para dar o sentido de urgência que o problema demanda. O Instituto lançou um convite ainda para que essas matérias sejam divulgadas via Twitter com a #InvisibilidadeMata, pois assim serão puxadas para dentro do Dossiê Feminicídio, que conta com uma seção de comunicação compartilhada para reunir conteúdos de redes sociais que sejam relacionados à palavra-chave (saiba mais sobre a estrutura e seções do Dossiê Feminicídio).

Fonte: Agência Patrícia Galvão

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha