Notícias

Interesses escusos pautam críticas do setor privado às cotas nas federais

10 de agosto de 2012

Não tardou a repercutir na mídia conservadora as posições contrárias à aprovação da regulamentação do sistema de cotas raciais e sociais nas universidades públicas e escolas técnicas federais – ocorrida nesta terça-feira, dia 07/08, no Senado Federal. Aprovada em caráter conclusivo, a PCL 80/2008 segue agora para sanção presidencial. Veja aqui.

Entretanto, parlamentares da oposição, bem como outros demais setores reacionários da sociedade, criticam a medida e ameaçam contestar a referida Lei judicialmente. Entres os críticos está a Fenep (Federação Nacional das Escolas Particulares), que teve opinião repercutida no Jornal paulista “Folha de São Paulo”, nesta quinta-feira, dia 09/08. Leia aqui matéria na íntegra.

De acordo com a publicação, a entidade patronal reconhece a necessidade das políticas para “setores historicamente desfavorecidos”, mas afirma que o caminho escolhido “não é o adequado”. Segundo a presidente da Fenep, Amábile Pacios, primeiramente seria necessário que o governo melhorasse a qualidade da rede pública de educação básica, em vez de priorizar medidas que foquem o ensino superior. Ela diz que estuda contestar a norma judicialmente e ainda insinua que a medida prejudica os estudantes bolsistas do ProUni.

Para Madalena Guasco Peixoto, Coordenadora Geral da CONTEE, é importante destacar que o setor privado nunca viu com bons olhos a expansão do acesso à escola pública, “principalmente, incluindo o que eles chamam de nova Classe C”.

Ela explica que a reação do setor privado é esperada, uma vez que se veem potencialmente prejudicados pelas cotas. “O setor privado oferece cursos de graduação de curta duração, com qualidade duvidosa, para um público que paga o que eles chamam de “mensalidades baixas”, mas que, na verdade, comprometem cerca de 60 % dos rendimentos dos estudantes. E não querem perder esses “clientes” para o setor público”.A dirigente destaca que o argumento de que esta Lei é prejudicial aos alunos do ProUni é falaciosa. “O que é verdadeiro é que com esta Lei os estudantes, que acabam obrigados a utilizar o ProUni para fazer, muitas vezes, cursos de péssima qualidade, poderão agora, com melhores condições, concorrer a uma vaga nas universidades públicas. Isso ameaça os interesses do setor privado, acostumado aos privilégios das isenções fiscais e ao perdão de dívidas, inclusive, previdenciárias”.

Entre os recentes benefícios concedidos ao setor privado, está o da Lei Nº 12.688, sancionada no dia 18/07, que trata do Programa de Estímulo à reestruturação e ao fortalecimento das Instituições de Ensino Superior (Proies). O Proies estabelece a troca de R$ 15 bilhões em dívidas tributárias federais das IES por cerca de 560 mil bolsas de estudo do ProUni, nos próximos 15 anos. A CONTEE posicionou-se contra o Programa – leia aqui a opinião da entidade.

 

Fonte: Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha