Notícias

Jornada de trabalho menor gera milhões de empregos, diz Dieese

22 de maio de 2009

A redução da jornada de trabalho teria a capacidade de gerar 2,5 milhões de novos postos no Brasil e teria um impacto para a indústria de 1,99% . “Isto seria perfeitamente absorvivel pelo setor industrial brasileiro”, disse o representante do Dieese, Nelson Karan, nesta terça-feira (19), na Câmara, na audiência pública que discutiu a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que reduz a jornada de trabalho semanal de 44 para 40 horas, de autoria do então deputado Inácio Arruda (PCdoB-CE).Segundo informou Karan, uma pesquisa do Dieese feita em 2008 em São Paulo mostrou que 37,8% dos trabalhadores tinham jornada maior que 44 horas semanais. Na indústria, seriam 32,3%, e no comércio, 56,5% . O coordenador acrescenta que entre 2002 e 2008 a produtividade no Brasil cresceu 23%.Para Karan, esse seria um bom argumento para mostrar a viabilidade da redução da jornada de trabalho. Ele também citou que na França a jornada de trabalho é de 30 horas; no Japão é de 42 horas; na Itália, 38 horas; e na Inglaterra, 39: “O custo da hora trabalhada no Brasil, é de 5,9 dólares (cerca de R$12), enquanto nos Estados Unidos, é de 24,59 dólares; no Japão, 19,75; e na Coréia, 16 dólares. Isso mostra a baixa participação dos salários no custo da produção brasileira.”Karan enfatiza que na indústria, por exemplo, essa participação seria de 22%. Segundo ele ainda, já foram feitos mais de 30 acordos de redução de jornada em diversos setores, “o que mostra que é possível de se efetivar”.Menos trabalho e mais salárioO pesquisador Roberto Henrique Sieczkowski Gonzalez, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ressaltou que a redução da jornada deve estar associada à melhoria dos salários, acrescentando a importância da redução ocorrer junto com a regulamentação das horas extras.”Hoje há um limite difuso entre o tempo de trabalho e o livre, devido às novas formas de trabalho, na qual o funcionário fica alcançável pela empresa pelo celular.” O especialista citou três mecanismos possíveis para a implementação da jornada reduzida: as contratações em tempo parcial, a redução por meio de acordos e convenções coletivas e a redução por determinação legal, que permite equalizar as condições entre os trabalhadores, independentemente das variáveis econômicas e setoriais.Ao final da audiência pública, o relator da matéria, deputado Vicentinho (PT-SP) defendeu a elaboração de lei para efetivar a redução da jornada, em vez de se deixar a cargo de negociações sindicais. Ele ressaltou que as leis trabalhistas foram criadas no mundo inteiro por conta da “perversidade dos capitalistas”, e que por isso é necessária a criação de leis para proteger o trabalhador. Vicentinho reafirmou que apresentará parecer pela redução da jornada de trabalho de 44 horas para 40 horas semanais, sem redução de salário e com mecanismos para controlar a hora extra.Voz distoanteO sociólogo José Pastore, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), foi a voz distoante da audiência. Para ele, a redução da jornada de trabalho com a melhoria de salário deve levar em conta as condições reais da economia. Pastore lembrou que os países que alcançaram essa realidade, o fizeram por meio de negociações sindicais e não por leis.E apontou várias sugestões para a geração de empregos, que devem ser aplicadas em conjunto com a redução da jornada de trabalho. As sugestões são: estimular os investimentos produtivos; não tributar investimentos que geram empregos; não tributar exportações; reduzir as despesas de contratação; criar contratos especiais e regulamentar a terceirização.

Fonte: Vermelho 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha