Notícias

Justiça condena instituição a pagar diferença salarial por redução de jornada

13 de abril de 2022

No último mês de março, a Justiça do Trabalho concedeu uma importante vitória a uma professora do setor privado de ensino, que simboliza também a defesa de direitos históricos da categoria.

A instituição de ensino superior Estácio de Sá foi condenada a pagar diferenças salariais, referentes a uma redução de carga horária feita unilateralmente. Na decisão, a Juíza Sandra Maria Generoso Thomaz Leidecker, titular da 32ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, considerou ilegal a atitude da instituição, já que não foram observados critérios previstos na CCT (Convenção Coletiva de Trabalho).

A professora relatou que a instituição passou a reduzir unilateralmente a carga horária de aulas a partir de agosto de 2018, o que causou alteração contratual e consequente diminuição do seu salário. Conseguiu provar que, ao longo do contrato de trabalho, chegou a ter carga horária ordinária de 12 horas semanais (54 horas mensais divididas por 4,5). A carga horária foi reduzida a partir de agosto de 2018. A instituição, por sua vez, não apresentou prova da homologação do sindicato, um dos critérios para que a redução seja feita de forma legal.

A juíza destacou que a redução também fere a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). “É evidente que a redução do número de aulas implica a correlata redução do salário do professor, prática vedada, também, pelo contido no artigo 468 da CLT. A norma coletiva apenas respalda tal prática a partir da homologação da resilição parcial pelo sindicato da categoria”, defendeu.

É importante destacar que a instituição não apresentou prova da rescisão parcial referente à redução ocorrida, ou mesmo que a medida tivesse se dado a pedido da professora. Diante do contexto, a juíza considerou ilegal a redução da jornada, determinando que a instituição pague a quantidade de aulas reduzidas, como se tivessem sido ministradas.

Redução de jornada não pode ser redução de direitos

A advogada do Sinpro Minas, Sirlene Vilaça, responsável por conduzir essa ação individual, afirma que essa vitória reflete a importância da categoria saber sobre todos os seus direitos.

“Devemos lembrar que a redução de jornada, quando proposta pela instituição, só pode ser possível respeitando três critérios: com a comprovação da redução do número de alunos/as, pagamento de indenização e homologação no sindicato”, destaca.

Com essa vitória, lembramos que o Sinpro Minas tem à disposição da categoria um departamento jurídico para prestar orientações e conduzir ações na Justiça, quando necessário.

Professora, professor!
Procure o sindicato caso tenha qualquer direito ameaçado!

COMENTÁRIO

2 respostas

  1. Estou vivendo uma situação similar a descrita acima.
    Tive minha carga horária reduzida unilateralmente em dezembro de 2021, a instituição ainda não fez acerto relativo a rescisão parcial e ainda, me parece ser um agravante, o fato de estar próximo a aposentadoria.
    Como vocês podem me orientar?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha