Notícias

Justiça do Trabalho suspende demissões de professores da Estácio em todo o país

Todos os trabalhadores devem ser tratados da mesma forma, independentemente de suas idades. Com base nesse entendimento, a juíza Tallita Massucci Toledo Foresti, da 21ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, concedeu liminar para proibir a universidade Estácio de Sá de demitir professores em todo o país.

Além disso, ela determinou que a instituição envie em 72 horas, ao Ministério Público do Trabalho no Rio — o autor da ação —, as fichas funcionais de todos os demitidos, documentos que a instituição se nega a encaminhar.

O inquérito foi aberto após a informação dada pela imprensa de que a universidade iniciou a demissão de 1.200 professores para serem recontratados com outros salários e utilizando novos contratos previstos na reforma trabalhista. O MPT também recebeu denúncia de que os docentes foram retirados da sala de aula para serem obrigados a assinar suas rescisões.

Além disso, os procuradores do Trabalho tiveram acesso a uma lista de demitidos e encontraram indícios de que a Estácio estava fazendo dispensa discriminatória por idade. Numa lista de 104 dispensados, 81 deles têm entre 50 e 81 anos de idade, 18 possuem entre 40 e 49 anos, e somente cinco têm menos de 40 anos.

Por verificar evidências de discriminação nas demissões, a juíza concedeu liminar para suspendê-las. Em sua decisão, ela destacou que a Constituição estabelece a igualdade e envolve a livre iniciativa econômica ao valor social do trabalho, onde nenhuma discriminação é admitida.

Além disso, Tallita apontou que o Brasil é signatário da Convenção 111 da Organização Internacional do Trabalho, que veda discriminação em matéria de emprego e profissão. E a proteção à igualdade foi reforçada recentemente, observou a juíza, citando a Lei 13.467/2017.

A norma instituiu a comissão de representantes dos empregados, que visa “assegurar tratamento justo e imparcial aos empregados, impedindo qualquer forma de discriminação por motivo de sexo, idade, religião, opinião política ou atuação sindical”. O descumprimento da liminar implicará à universidade o pagamento de multa diária de R$ 400 por trabalhador.

Luta judicial

Após saber que a Estácio planejava demitir cerca de 1.200 docentes, o Sindicato dos Professores do Rio de Janeiro e Região (Sinpro-RJ) moveu ação contra a medida. No dia 8 de dezembro, a Justiça do Trabalho suspendeu provisoriamente os desligamentos no Rio de Janeiro.

Mas a Estácio recorreu, e o desembargador José Geraldo da Fonseca, do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (RJ), suspendeu na segunda-feira (11/12) a liminar.

A Estácio afirma que o processo de “reorganização” visa manter a sustentabilidade e envolve, além do desligamento de um número não confirmado de professores, a criação de um cadastro reserva para o preenchimento de eventuais vagas que surgirem nos próximos semestres.

“As novas contratações ocorrerão exatamente no mesmo regime de trabalho dos professores que estão sendo desligados e não se trata de recontratação dos mesmos professores que estão sendo desligados”, garante a universidade, argumentando que, por força de lei, as instituições universitárias só podem mexer na composição do quadro docente a cada final de semestre.

“[É uma] Janela muito restrita, o que faz com que o volume de desligamentos fique concentrado em curto espaço de tempo.” Com informações da Assessoria de Imprensa do MPT.

Clique aqui para ler a decisão do MPT

Leia ainda

Sinpro Minas pede novamente reintegração dos professores da Estácio

Fonte: Portal CTB e Consultor Jurídico

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha