Notícias

Lava Jato da Educação pode mirar onde quer e acertar onde não quer

19 de fevereiro de 2019

Na última sexta-feira (15), o jornalista Luis Nassif publicou artigo no Portal GGN analisando como o anúncio de uma suposta Lava Jato na Educação, em parceria entre os ministros da Educação, Ricardo Vélez Rodrígues, e da Justiça, Sérgio Moro (usando a marca que o tornou conhecido como juiz), representa a inauguração oficial do estado policial no Brasil. “Não há fato definido, não há crime relatado. A própria denominação é o indício mais evidente de que haverá uma movimentação política na área”, escreveu o jornalista.

Segundo ele, a estratégia é óbvia. “Nos anos de governo PT, os dois setores mais beneficiados foram as empreiteiras, devido à volta das grandes obras, e a educação, devido às políticas implementadas, desde a expansão das universidades federais ao estímulo ao setor privado através do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil)”, observou Nassif. “Em relação às universidades federais, a fórmula já foi dada no caso da Universidade Federal de Santa Catarina. A CGU (Controladoria Geral da União) identifica qualquer irregularidade. Com base nisso, a Polícia Federal consegue autorização para condução coercitiva com humilhação pública das pessoas envolvidas. Nem será necessário identificar dolo ou crime. Basta um juiz e um procurador politicamente alinhados. Até hoje não se sabe qual o crime cometido pelo reitor da UFSC, levado ao suicídio.”

De fato, há uma mira certa apontada para as universidades federais, a qual vai ao encontro, inclusive, dos objetivos parcamente escamoteados nas ideias de educação do ministro da pasta, conforme ressaltado pela coordenadora da Secretaria-Geral da Contee, Madalena Guasco Peixoto, em texto publicado na Carta Educação há uma semana. “Por trás da concepção expressa por Vélez Rodríguez estão implícitas, na verdade, duas grandes intenções: a privatização das universidades públicas e o fim das políticas de inclusão como as cotas e o ProUni — programa cujo nome Universidade Para Todos, aliás, deve parecer ininteligível aos ouvidos do ministro”, destacou a diretora da Confederação.

A questão é que, como o próprio Nassif considerou, a Lava Jato da Educação esbarra também no Fies e, portanto, nos interesses do setor privado e dos grandes conglomerados do setor educacional, que, inclusive, atuaram no processo eleitoral e colaboram na sustenção ao governo. Vale lembrar que a vice-presidente da Associação Nacional de Universidades Privadas (Anup), Elizabeth Guedes, é irmã do ministro da Economia, Paulo Guedes, como também apontado por Madalena Guasco em artigo falando sobre a conveniência do parentesco para os privatistas do ensino e o desastre que isso representa para a educação.

Por Tascia Souza para Portal Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha