Notícias

Lição de paz para alunos e professores de Belo Horizonte e região

2 de maio de 2012

Raquel Ramos – Do Hoje em Dia – 26/04/2012 – 11:59

Renato Cobucci

Educação

Sandra está à frente do projeto que quer reduzir a violência em escolas da rede municipal de Betim

Em apenas sete anos de profissão, o professor de português e literatura Carlos (nome fictício) já recebeu duas ameaças de alunos. A última delas ocorreu em uma tradicional instituição de ensino localizada em um bairro nobre de Belo Horizonte, no fim de 2010. “Um estudante do segundo ano do ensino médio ficou revoltado porque tinha perdido média na minha disciplina. Quando eu estava chegando à escola, falou bem alto que eu também merecia uma facada”, lembra.

O garoto se referia à morte do professor Kassio Vinicius Castro Gomes, assassinado por um estudante no corredor do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix. Embora não tenha certeza de que o aluno fosse capaz de cumprir a ameaça, Carlos nunca mais virou as costas para o estudante.

A experiência do professor ilustra o medo e a violência nas salas de aula mineiras. Segundo a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), em 2011 foram registradas 174 ocorrências contra pessoas em instituições de ensino de Belo Horizonte e 68 na Região Metropolitana, sem incluir a capital.

O Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro-MG) tem um levantamento paralelo. Entre fevereiro de 2011 e março deste ano, 131 profissionais das redes pública e privada que sofreram algum tipo de violência fizeram denúncias à entidade. “A média é de uma queixa a cada três dias, mas sabemos que esse número não reflete a realidade. Ele só inclui os relatos feitos por telefone, e a verdade é que muitos colegas permanecem calados”, afirma o presidente do Sindicato, Gilson Reis.

Um agravante é que muitas coordenações escolares pressionam o professor a ficar em silêncio, receosas de que o episódio manche a imagem do colégio. Nesses casos, Gilson considera que o professor é vítima de agressão duas vezes: por parte do aluno e da própria escola.

“A omissão é muito grave porque a instituição também tem o papel de formar cidadãos. O que acontece em sala é reproduzido na sociedade. Quando a direção ignora o problema, cria uma situação favorável para que a violência seja potencializada”, alerta.

Nas duas ocasiões em que foi ameaçado, Carlos não teve o apoio do estabelecimento de ensino. “Na primeira, em 2007, a diretora escutou o aluno gritando que se eu aplicasse uma prova difícil novamente iria parar em uma cadeira de rodas. Mesmo assim, ela não se manifestou. No segundo caso, a escola se comprometeu a não renovar a matrícula do aluno, mas voltou atrás”.

Presidente do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sindi-UTE), Beatriz Cerqueira considera que a luta dos professores é solitária. “Ninguém assume a responsabilidade pelo problema. O governo justifica que são casos isolados, mas quem acompanha os casos sabe que a violência se tornou recorrente”.

No entanto, pequenas ações isoladas servem de exemplo e encorajam a categoria. Professora e atual secretária de Educação de Betim, Sandra Angélica Castro Gomes está à frente de um projeto que, entre vários objetivos, quer combater a violência no ambiente escolar.

A iniciativa leva o nome de Kassio, o professor citado no início da matéria, irmão de Sandra. “O que temos, hoje, é um protocolo de mais de 80 páginas, com os procedimentos a seguir diante de um caso de indisciplina, infrequência ou até mesmo de um ato infracional”, conta

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha