Notícias

Luta pela redução da jornada ganha reforço no Congresso

7 de março de 2008

O deputado José Guimarães (PT-CE) anunciou, em pronunciamento nesta quinta-feira (6), a criação da Frente Parlamentar pela Redução da Jornada de Trabalho sem Redução Salarial. De acordo com o parlamentar, as entidades representativas dos trabalhadores, especialmente as centrais sindicais, serão os parceiros mais estratégicos no trabalho da Frente.”Agora teremos um espaço importante para ampliarmos as discussões acerca da PEC 393/01, do ex-deputado e hoje senador Inácio Arruda (PCdoB-CE)”, afirmou. A PEC, que, entre outras medidas, prevê a redução de 44 horas para 40 horas a jornada de trabalho semanal no primeiro ano, e para 35 horas dois anos depois, já foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Nos últimos meses, várias entidades de classe vêm desenvolvendo campanhas para divulgar a proposta e obter apoio popular, o que pode viabilizar sua aprovação pelo Congresso Nacional. ”A Frente Parlamentar pode dar uma grande contribuição nesse processo”, acredita Guimarães.Danos à saúde”Com a aprovação de alterações na legislação trabalhista, no sentido de flexibilizar as conquistas dos trabalhadores, a campanha pela redução da jornada de trabalho ganha dois poderosos argumentos: o número de empregos que serão gerados e a redução de danos à saúde do trabalhador”, afirmou o deputado.Guimarães citou uma pesquisa divulgada recentemente pelo Governo de Barcelona, que acompanhou quase três mil pessoas de diversas profissões e classes sociais durante um ano, concluindo que uma jornada de trabalho superior a 40 horas semanais causa danos físicos e emocionais à saúde, como ansiedade, depressão, problemas cardíacos, transtornos hormonais e distúrbios no sono, principalmente em mulheres, que acumulam as funções profissionais e as tarefas de casa.Reivindicação históricaEm meados do século 18, início da revolução industrial, a jornada de trabalho se estendia até 18 horas diárias, com trabalhadores expostos à exaustão e remuneração diminuta. A situação provocou o início da organização por melhores condições.Os dispositivos legais para a redução da jornada de trabalho surgiram nos Estados Unidos, em 1890; A Convenção 1 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), tratando do tema, veio em 1919 e foi ratificada por 52 países.No Brasil, a Bahia foi o primeiro Estado a aprovar a redução da jornada para 8 horas, em 1917. A regulamentação do horário diurno das fábricas chegou em 1932, mas ainda mantendo a possibilidade de flexibilização da jornada. Em 1943, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) estabeleceu limites e remuneração adicional para a hora extra.A Segunda Guerra trouxe um retrocesso: todas as legislações que limitavam a jornada de trabalho foram suspensas. As manifestações continuaram, inclusive, durante o regime militar. Finalmente, a Constituição de 1988 põe termo a uma luta de meio século para a redução de 48 para 44 horas semanais de trabalho.Fonte: Vermelho

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha