Notícias

Maioria da população brasileira defende discussão sobre racismo e educação sexual nas escolas

4 de julho de 2022

Pesquisa revela ainda que 70% da população rejeita militares na educação e 93% acreditam em respeito a religiões

Por Nayá Tawane, no Brasil de Fato

Um levantamento do instituto Datafolha sobre temas ligados à educação no Brasil divulgado neste domingo (3) aponta que 73% dos entrevistados acreditam que a educação sexual deve constar no currículo escolar do país. 

O estudo, que foi encomendado pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec) e pela Ação Educativa, ouviu 2.090 brasileiros com idades entre 16 anos ou mais, de 130 municípios do país, de 8 a 15 de março de 2022.

Para 91%, falar sobre o assunto ajuda a prevenir abuso sexual de crianças e adolescentes. 80% acreditam que as escolas devem promover o direito das pessoas viverem livremente sua sexualidade, sejam elas heterossexuais ou LGBTs.

Em relação ao debate sobre racismo, para 90%, os professores devem discutir discriminação racial em sala de aula. Quanto ao tema da militarização em centros de ensino, 70% confiam mais em civis do que militares para trabalhar em escolas. E para 93%, as escolas devem respeitar todas as religiões, inclusive o candomblé, a umbanda e as pessoas que não têm religião.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha