Notícias

MG: Mais uma vez o patronal desrespeita nossa categoria!

6 de junho de 2024

A proposta de 4% de reajuste sugerida pelo desembargador do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) na última mediação não foi aprovada pelos representantes e donos de escolas. O patronal mantém a proposta original de 3,4%, se negando em oferecer míseros 0,6% a mais de reajuste para os professores e professoras.

A decisão foi transmitida ao Sinpro Minas em reunião, na sede do Sinepe MG, nesta terça-feira (4), momento em que o Sinpro foi tratado com imenso desrespeito, de maneira reincidente, por um dos representantes do Ensino Superior.

Durante a reunião, ficou muito clara a pressão do Ensino Superior para que o aumento do percentual de reajuste de 3,4% para 4% não fosse aceito. É justamente nesse extrato que se concentram os grandes grupos empresariais de capital aberto, que visam acima de tudo o lucro e a valorização de suas ações nas bolsas de valores.

É também o Ensino Superior que concentra os melhores desempenhos financeiros no setor de Educação. Um exemplo é o Grupo Ânima, que reportou um lucro líquido ajustado de R$ 104,7 milhões no primeiro trimestre de 2024, melhor resultado já obtido pela empresa em um primeiro trimestre.

É bom que as empresas cresçam e deem lucro. Mas é importante que não se esqueçam que foi com o trabalho dos professores e professoras que esse resultado foi possível. Afinal, não há educação e escola sem professor!

Próximos passos
Agora, os dois sindicatos devem apresentar ao TRT as decisões de suas categorias quanto à proposta apresentada. A próxima mediação está marcada para o dia 18 de junho, e a nossa assembleia para o dia 19, às 18 horas, no Sinpro Minas.

COMENTÁRIO

3 respostas

  1. Boa noite.
    Já que não querem ceder no percentual, porque o simpro não aceita o percentual e em contrapartida pede que as perdas do quinquênio que tivemos ano passado sejam anuladas? Pois foi desta forma no ano passado que eles retiraram parte do percentual do quinquênio. Jogar o mesmo jogo deles!!!

    1. Olá, Renato. Infelizmente eles não aceitam isso. Para conseguirmos algo do tipo, seria necessário um movimento grevista. Infelizmente jogamos o jogo de forma desigual.

    2. A cada ano que passa, mais direitos são perdidos e nenhum novo direito é “ganho”. O foco fica praticamente no percentual de reajuste e os demais direitos ficam como secundários. Devemos dar mais atenção aos outros direitos, pois os considero de significativa importância.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha