Notícias

Manifesto das centrais: Unidos para lutar mais e melhor

10 de maio de 2010

Nós sindicalistas da Região Metropolitana e dirigentes de seis centrais sindicais de Minas Gerais, reunidos em Belo Horizonte, comunicamos a disposição de realizar ações unitárias para defender e lutar pelos interesses das classes trabalhadoras brasileiras. Mais que uma opção, a unidade se impõe para a preservação de direitos e a conquista de novos avanços.

O fantasma da crise econômica que abalou o mundo, longe de ter sido exorcizado, insiste em assombrar os quatro cantos do planeta. Permanecem as tentativas de colocar nos ombros dos trabalhadores o ônus da tragédia neoliberal e seguem os ataques ao mundo do trabalho. As exorbitantes taxas de juros, os altos índices de desemprego, as baixas remunerações e a informalidade são expressões da política dos senhores do capital.

No Brasil, o ano de 2010 tem como signo as eleições e os trabalhadores e as trabalhadoras, da cidade e do campo, devem ser protagonistas nos debates sobre os rumos do País. Eis o sentido mais geral de nossas reivindicações.

Acreditamos que para atender as necessidades do povo é preciso gerar e formalizar empregos. Combater a precarização, garantir e ampliar os direitos trabalhistas e sindicais. Não aceitamos, por exemplo, as recorrentes ameaças de colocar um fim no 13º, nas férias, na licença maternidade e no descanso remunerado. Ao contrário, é urgente valorizar o trabalho, bem como, promover um processo amplo e permanente de democratização e distribuição da renda, da riqueza e da propriedade.

Distante das opções político-partidárias individuais, assumimos o compromisso de marchar juntos em torno de uma plataforma de exigências básicas dos trabalhadores e convocamos a todos a engrossarem o coro dos que exigem melhores condições de vida para as grandes maiorias nacionais. 

– Reduzir a jornada de trabalho para 40 horas sem redução salarial

A redução da jornada de trabalho sem redução de salários é um dos temas vinculados à geração de emprego e qualidade de vida. É preciso trabalhar menos para que mais pessoas tenham assegurado o seu direito ao trabalho. E para reduzir os acidentes e doenças fruto de um ritmo cada vez mais acelerado da produção e para que sobre tempo livre para o aprimoramento pessoal e convívio familiar. O trabalho deve ser colocado a serviço da vida e não ao contrário.

Valorizar os salários

Recuperar e aumentar os salários, valorizando o trabalho, é fundamental para as classes trabalhadoras, para o desenvolvimento nacional, o combate as desigualdades e a distribuição de renda. O aumento do valor real dos salários de alguns setores não é desculpa para o arrocho salarial de outros.

– Acabar com a demissão imotivada

Também a aprovação da Convenção 158, da OIT, que protege e dá estabilidade aos trabalhadores contra desmandos e turbulências econômicas, é uma das tarefas imprescindíveis para um Brasil justo e democrático. É cada vez mais urgente constituir mecanismos legais que garantam a proteção dos trabalhadores, especialmente contra a demissão sem motivos e a alta rotatividade.

– Garantir a organização trabalhista e a negociação no serviço público

A Organização Internacional do Trabalho – OIT – em sua convenção número 151 garante negociações diretas entre os servidores públicos e as autoridades competentes. Além de promover a independência das organizações trabalhistas, a medida incorpora direitos civis e políticos essenciais. Sendo assim, exigimos a regulamentação que dê respaldo jurídico efetivo à Convenção, em âmbito municipal, estadual e federal. É inadmissível que o Brasil, com uma economia capitalista madura e já incorporada no cenário internacional, não garanta os direitos elementares como aqueles expressos na convenção 151 e 158 da Organização Internacional do Trabalho – OIT.

– Fim do fator previdenciário

A introdução do fator previdenciário, desde 1999, tem impacto direto negativo no valor das aposentadorias por tempo de contribuição. As centrais defendem a extinção do fator previdenciário e a manutenção da regra de aposentadoria por tempo de contribuição, sem idade mínima. A previdência é parte integrante do Sistema de Seguridade Social. É um patrimônio de todos e não pode servir de instrumentos para os chamados ajustes que, no fundo, visam beneficiar o capital em detrimento daqueles que com o suor de seus rostos construíram as riquezas atuais.

– Combater a precarização promovida pelas terceirizações

As terceirizações têm servido como mecanismo de precarização de direitos e para uma hiperexploração do trabalho. Defendemos a igualdade de direitos entre trabalhadores contratados diretamente e os terceirizados.

– Abolir o trabalho análogo a escravidão

Por todos os cantos do País são recorrentes as denúncias de trabalhadores que vivem sem nenhum direito e mantidos em condições próximas a aquelas do tempo da escravidão. É inadmissível a tolerância de crimes como este. Expropriar terras onde exista “trabalho escravo” é uma prioridade para a consciência democrática nacional. Por isso, exigimos a aprovação da PEC 438/01 que esta em tramitação no Congresso Nacional.

– Reforma Agrária anti-latifundiária

Ao longo dos séculos a existência de latifúndios tem sido uma chaga nacional. A democratização da propriedade e o acesso a terra para quem deseja trabalhar são instrumentos inarredáveis para a justiça social, a produção massiva de gêneros de primeira necessidade e a promoção da paz no campo. Por isso, defendemos a limitação das propriedades rurais. Nenhuma propriedade pode ter mais 35 módulos fiscais. Como os módulos rurais variam de acordo com sua localização, assim, estarão respeitadas as particularidades e necessidades de cada região.

– Contra a criminalização das lutas e movimentos populares

Basta um olhar na história brasileira para perceber que as mobilizações e as lutas populares são responsáveis por grandes conquistas e avanços sociais. O movimento grevista foi fundamental para o fim da ditadura militar e para o processo de redemocratização. Todavia, assistimos na atualidade o ataque sistemático às greves e outras manifestações populares. A greve é um direito constitucional que não pode ser aviltado sob nenhum pretexto. Defender direitos não é crime. Transformar as lutas sociais em casos de polícia é um atentado as liberdades conquistadas a duras penas.  

Para que a disposição de unidade das Centrais Sindicais se materialize em jornadas comuns, convocamos a todos os trabalhadores e trabalhadoras a deixarem de lado suas divergências e promoverem ações comuns em seus locais de trabalho, em seus sindicatos e nas instâncias e fóruns que atuem. Assim será possível manter direitos e arrancar novas conquistas. As centrais sindicais estão convencidas que um futuro justo é possível e deve ser construído desde já.

Por fim, conclamamos o povo brasileiro a exigir tais compromissos daqueles que se candidatam a cargos públicos – tanto nos executivos como nos legislativos. Afinal, quem não defende o trabalhador e a trabalhadora não merece o nosso voto. 

     Belo Horizonte, 1° de maio de 2010

     70 anos de vigência do Salário Mínimo.   

CTB – Central dos Trabalhadores (as) do Brasil

CONLUTAS – Coordenação Nacional de Lutas

CGTB – Central Geral dos Trabalhadores do Brasil

CUT – Central Única dos Trabalhadores

NCST – Nova Central Sindical dos Trabalhadores e

UGT – União Geral dos Trabalhadores

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha