Notícias

Marista Dom SilvérioSinpro conquista outra vitória para a categoria

3 de março de 2012

Em audiência nessa terça-feira (27/2), na Justiça do Trabalho, o colégio Marista Dom Silvério se comprometeu a não demitir funcionários ou praticar qualquer conduta intimidatória em decorrência da participação deles em greve por melhores salários e condições de trabalho. 

A escola também assumiu o compromisso de não contratar trabalhadores para substituir grevistas. Caso descumpra as medidas, a instituição de ensino poderá pagar multas que variam de R$ 20 mil a R$ 100 mil. O resultado da audiência decorre de ação movida pelo Ministério Público do Trabalho, que foi acionado pelo Sinpro Minas. 

 

Em 1o de abril do ano passado, logo após o final da greve da categoria, a direção do colégio Marista Dom Silvério demitiu, de forma arbitrária, duas professoras que participaram do movimento. Insatisfeitos, centenas de estudantes fizeram manifestações na portaria da escola em apoio às docentes e exigiram a reintegração delas (clique aqui e leia mais). Pais de alunos também criticaram as dispensas.  Após as demissões, o Sinpro Minas manifestou em nota (clique aqui para acessá-la) o repúdio à decisão da escola, que teve o objetivo de intimidar os professores e afrontou o direito de livre organização dos trabalhadores.

 

O sindicato também acionou a Justiça e o Ministério Público do Trabalho para reverter as demissões e denunciar a irregularidade praticada pela instituição de ensino. Em reunião no sindicato patronal, uma semana após o ocorrido, a direção da escola chegou a dizer que as demissões eram irrevogáveis.

 

Em agosto, no entanto, a Justiça do Trabalho julgou procedente a ação movida pelo Sinpro Minas e obrigou o colégio a reintegrar a professora Jacqueline Cavaca Soares Pontes, uma das demitidas. Na ocasião, a escola foi condenada a pagar à docente uma indenização de R$ 50 mil por danos morais pela dispensa em decorrência da greve da categoria.

 

Para o sindicato, tanto a reintegração quanto o compromisso assumido pela instituição de ensino perante a Justiça representam uma vitória para toda a categoria. “Com essas decisões, a Justiça reafirma aquilo que sempre defendemos, ou seja, a luta por melhores salários e condições de trabalho é um direito legítimo dos trabalhadores, que não pode ser alvo de nenhum tipo de censura. Aproveitamos a oportunidade para reiterar que estaremos atentos para coibir qualquer prática de perseguição de professores nas instituições de ensino particulares”, afirmou Gilson Reis, presidente do Sinpro Minas. Confira abaixo reportagem sobre a manifestação dos estudantes:

 

 

 

 

 

Confira o termo de audiência abaixo:

 

 

 

:

 

 

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha