Notícias

Mercosul é motor dos países da América do Sul

26 de julho de 2012

Às vésperas da cerimônia que vai oficializar a incorporação da Venezuela ao Mercosul, o presidente do país, Hugo Chávez, disse nesta quarta (25) à noite que o bloco é o “maior motor” da América do Sul. Segundo ele, é o Mercosul que favorece o desenvolvimento da região e a incorporação da Venezuela ao bloco representa a abertura de um “horizonte infinito”. A solenidade que marcará a entrada da Venezuela no Mercosul ocorrerá no dia 31, em Brasília.

“O quadro agora está completo com a Venezuela ao Norte”, disse Chávez. “Aqui nasce uma grande potência na América do Sul e o Mercosul é o maior motor que há [na região] para dar vida com o apoio de todos os países, como a Colômbia, o Equador, o Peru, a Bolívia, o Uruguai, a Guiana, o Suriname e à frente o Caribe.”

Chávez fez os comentários após a reunião, na sede do governo da Venezuela, em Caracas, com os representantes do Brasil, o subsecretário-geral de América do Sul do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Antonio Simões, e o assessor para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia.

“O mecanismo do Mercosul é flexível e aceita assimetrias. O Brasil não é um império. É um irmão, como a Argentina, o Uruguai e o Paraguai, que eu tenho certeza que mais cedo ou mais tarde voltará para o Mercosul, quando recuperar a democracia”, disse o presidente venezuelano.

Chávez disse ainda que na reunião com a delegação brasileira ontem foram identificados projetos de intercâmbio econômico entre a Venezuela e o Brasil. Segundo ele, há uma relação de mais de 230 produtos venezuelanos que poderão ser exportados para o país vizinho.

De acordo com o presidente, deverá ser criado um fundo especial para estimular parcerias públicas e privadas para essas exportações. Ele acrescentou também que os projetos envolvem as áreas industrial, de agronegócio, financeira e de telecomunicações, além do comércio.

EmpresasChávez afirmou que o governo venezuelano vai abrir um cadastro público às empresas do país que queiram investir em exportações para os países do Mercosul. “Vamos elevar a economia venezuelana a um novo nível para incrementar nossa participação no mercado comum da região [Mercosul]”, disse Chávez. O presidente acrescentou ainda que a adesão ao bloco não impõe à Venezuela orientações sobre sua política interna.

“Temos total liberdade para continuar com o controle cambial com Cadivi e mecanismos tais como a Aladi [Associação Latino-Americana de Integração] e muitos outros instrumentos”, ressaltou o presidente venezuelano.

Em tom emocionado, Chávez lembrou que a ideologia que move o Mercosul é a mesma que guiou o militar brasileiro José Inácio Abreu e Lima, que lutou na independência das colônias espanholas na América ao lado de Simón Bolívar.

“É a democracia como um projeto, como uma ideia que tem a ideologia como objetivo de concretização de uma proposta. Todos esses projetos têm o foco ideológico no quadro Sul-Sul da integração e do desenvolvimento social”, ressaltou Chávez.

Com Agência Brasil 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha