Notícias

Métodos de gestão corporativa precarizam condições de trabalho nas escolas

4 de fevereiro de 2011

A mercantilização da educação brasileira entrou recentemente numa nova fase. Marcada pela concentração no setor e pelo aumento da participação de corporações ou fundos de investimentos internacionais, a financeirização do setor ganhou força depois que grupos educacionais privados decidiram vender ações no mercado financeiro.  O processo tem levado escolas, principalmente no ensino superior, a adotarem métodos de gestão corporativa, inclusive na área pedagógica. As escolas passam a ser administradas como grandes empresas, e as condições de trabalho dos professores entram na mira do foco empresarial, que afasta investimento em pesquisas e projetos de extensão universitária.

União de turmas, padronização de currículos, demissão de doutores e professores com mais tempo de serviço e redução da carga horária são algumas das medidas adotadas para reduzir custos e aumentar o faturamento. Sem contar que muitos docentes têm realizado tarefas administrativas no interior das escolas, aumentando a carga de trabalho.

“São apresentados ao magistério os mesmos mecanismos de coerção, ameaças, avaliações punitivas, instabilidade, padronização do trabalho e metas inalcançáveis comuns aos demais setores [da economia], denuncia Aparecida Tiradentes, assessora educacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee).

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha