Notícias

Minas Gerais também terá atos de resistência contra o impeachment

13 de abril de 2016

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil em Minas Gerais (CTB-MG) se reuniu nesta terça-feira (12/04) para traçar o calendário de luta contra o golpe até o próximo domingo, quando a Câmara dos Deputados encerra a votação do impeachment. A estratégia dos movimentos sociais é manter a mobilização diária e não sair das ruas. No domingo, além do grande ato em Brasília, a capital mineira também terá atividades de vigília durante a votação. Na sexta-feira (13) a preparação é para um dia de explosão da resistência. Confira abaixo o calendário de lutas. Em Belo Horizonte, a concentração será na Praça da Estação, às 14 horas. 

Os ctebistas mostraram preocupação com objetivo real da direita na tentativa de tomar o poder que é o ataque a classe trabalhadora. A avaliação de conjuntura feita pela presidente do Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro Minas), Valéria Morato, destacou a ofensiva contra os países que compõem o Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e, em contrapartida, as manifestações de apoio internacional que apontam para o risco da democracia no Brasil. Valéria reafirmou a necessidade de enfrentar o debate e mostrar ao povo brasileiro que o que está em jogo são os direitos da classe trabalhadora.

A coordenadora dos movimentos sociais do PCdoB, Luiza Lafetá, apontou como irreversível o nível de debate no Brasil. Para ela, a pauta das forças progressistas a estará mais viva após o processo de votação do impeachment. Lafetá criticou o muro construído em Brasília para separar as manifestações no dia 17. “Assim como Berlim foi divida na guerra fria, Brasília terá dois lados no domingo.”

Para o presidente da CTB-MG, Marcelino Rocha, estar nas ruas diariamente tem sido fator decisivo para mobilização. “Toda vez que tem ameaça a democracia no Brasil aparece o ódio de classe da elite brasileira. Estamos lutando contra esse poder ameaça cotidianamente os trabalhadores e vai impulsionar a regressão dos direitos socais e trabalhistas” sinaliza Marcelino.

Em uma rodada de debate intensa, os ctbistas valorizaram a aglutinação de forças em defesa da democracia e apontaram enorme preocupação com as pautas que ameaçam os trabalhadores, como é o caso do documento “Ponte para o Futuro” protagonizado pelo vice-presidente Michel Temer que defende o desmonte do Estado.

Além da participação nas atividades de ruas nos próximos dias, a CTB reforçou a necessidade de pressionar os parlamentares para que tenham compromisso com a população. A orientação é que todos enviem e-mails aos deputados exigindo a defesa da democracia.

Durante o debate, a diretora da CTB-MG Rita da Silva denunciou agressão que sofreu na rua por levantar a bandeira da democracia. Rita relatou que precisou de ajuda de comerciantes e taxistas após ser agredida e ter a roupa rasgada por manifestantes pró-golpe.

Calendário de atividades em defesa da democracia em Belo Horizonte:
13/04 – Quarta-feira
13h – Ato com juristas na Assembleia Legislativa contra o golpe e contra o PL257
14/04 – Quinta-feira
Paralisação nacional contra o PL 257
Jornada de lutas no dia 15/04 – Sexta-feira
05h – Tranco na BR 381:
09h – Assembleia dos Trabalhadores do SindRede – Praça da estação
11h – Ato na Reitoria da UFMG
17 de abril – domingo
Vigília pela democracia em Brasília e em BH, na Praça da Estação, a partir das 14h.

Fonte: CTB Minas

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha