Notícias

Ministro da Educação debocha de queimadas na Amazônia

27 de setembro de 2019

O ministro retoma o caso de um protesto contra as queimadas na região, feito por uma jovem, que acabou virando meme e viralizando na internet. Para marcar sua posição no tema, uma maquiadora e youtuber publicou fotos em que aparece com o rosto e o colo pintados, em referência à floresta em chamas. A questão é que a pintura mostrava girafas entre os animais, espécie não encontrada na Amazônia.

À época, a jovem disse que os desenhos dos animais foram feitos aleatoriamente, e não tinham o objetivo de representar literalmente a fauna da Amazônia.

Voltando à postura de Weintraub, marcada por ironias e cinismos, o ministro parece fazer a linha dos que acreditam que a Amazônia permanece intacta e que os incêndios na região são decorrentes do clima seco e de atitudes criminosas, exatamente o que proferiu o presidente Jair Bolsonaro diante o mundo, na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Após o discurso, ambientalistas e entidades ambientais criticaram a postura do atual governo, que baseou o discurso em farsas. À reportagem do O Globo, o cientista Paulo Moutinho, do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, declarou: “Se a Amazônia não está sendo devastada, o grupo de 10, 12 satélites ao redor do planeta está tirando fotografias de um outro planeta que não é o nosso”, ironizou. “Foi impressionante insistir que os incêndios na Amazônia estão sendo causados de maneira espontânea. Vários estudos e dados do governo já dizem que estão relacionados ao desmatamento, e Bolsonaro perdeu a oportunidade de reconhecer isso. O próprio ministro do Meio Ambiente já reconheceu que há avanço do desmatamento”.

Ele também descartou a possibilidade de as queimadas na Amazônia serem espontâneas e ocasionadas pelo tempo seco. “É raríssimo o fogo ter origem numa descarga elétrica, ao contrário do que ocorre no Cerrado. Na Amazônia, 100% desses incêndios são provocados pela espécie humana, e, neste ano, cresceram bastante em relação ao ano passado”, afirmou. “Outra coisa: os ventos são muito fracos na Amazônia, o que é bom, pois não torna o fogo incontrolável. O foco são as áreas derrubadas. Às vezes o fogo se propaga um pouco na beira da floresta, na mata ao lado da área derrubada. Querem o máximo de queima para que a área fique limpa para a pecuária.”

 
Weintraub
 
Fonte: Carta Educação
Foto de capa: Victor Moriyama para Greenpeace

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha