Notícias

Miséria subiu 33% nos últimos quatro anos: são 6,3 milhões de novos pobres

Estudo do Centro de Políticas Sociais da FGV-Social analisou dados da PNAD relativos aos últimos quatros anos (de 2014 ao segundo trimestre de 2018) e acaba de lançar o levantamento “Qual foi o impacto da crise sobre a pobreza e a distribuição de renda?”.

O resultado confirma os indicativos que pesquisas nacionais e internacionais já haviam consolidado, mas apresenta dados novos, como os resultados do índice Gini no período, que revelaram um expressivo aumento na concentração de renda.

O mais interessante deste estudo é o fato de abarcar exatamente a fase em que o país vivenciou toda a articulação do golpe contra Dilma Rousseff, o seu afastamento e a instalação do governo golpista e das medidas econômicas neoliberais, com drásticos cortes sociais e a instituição da reforma trabalhista, ampliando desemprego e o trabalho precarizado.

De acordo com o estudo, desde 1989 o Brasil não experimentava mais de três anos de aumento consecutivo de desigualdade. A piora na performance social do Brasil também explica o mau desempenho econômico, já que o aumento da miséria impõe queda no consumo e desaquecimento da economia.

Do final de 2014 até junho deste ano, o Índice de Gini subiu a uma velocidade 50% maior do que vinha caindo na época de queda da desigualdade brasileira, iniciada em 2001. Perfazendo quase quatro anos consecutivos de aumento de concentração de renda.

O levantamento da FGV-Social indica aumento da pobreza e da desigualdade até o segundo trimestre de 2018. Há hoje 23,3 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza, com rendimentos abaixo de R$ 232 por mês; cerca de 11,2% da população.

A miséria subiu 33% nos últimos quatro anos. São 6,3 milhões de novos pobres — mais do que a população do Paraguai – adicionada ao estoque de pobreza.

Do final de 2014 até junho deste ano, o Índice de Gini subiu a uma velocidade 50% maior do que vinha caindo na época de queda da desigualdade brasileira, iniciada em 2001. Perfazendo quase quatro anos consecutivos de aumento de concentração de renda. Isso não acontecia desde a derrocada do Plano Cruzado de 1986 até 1989, o recorde de desigualdade nas séries brasileiras.

Acesse aqui a pesquisa completa

Segundo Marcelo Neri, diretor do FGV Social e coordenador do levantamento, a nova Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) revelou uma grande queda de renda per capita média do trabalho desde o ápice no final de 2014 até meados de 2016 quando voltou-se aos níveis de 2012. De lá para cá, recuperou-se 40% desta perda média.

Já o bem-estar social caiu 10,6% desde 2014 até meados de 2016, regredindo a patamar similar ao de 2012. No entanto, diferentemente da renda per capita média, o bem-estar manteve-se nestes níveis desde então. Isso quer dizer que, em termos bem-estar geral da nação, não se pode falar em recuperação, mesmo que tímida. Essa aparente contradição ocorreu, pois o avanço conquistado pela renda média foi neutralizado pela alta da desigualdade.

A miséria subiu 33% nos últimos quatro anos. São 6,3 milhões de novos pobres — mais do que a população do Paraguai 

A PNAD mostrou perda de renda de 7% em 2015. Já a nova PNAD Contínua revelou queda de renda individual do trabalho, não ficando restrita somente aos ocupados. Entre 2015 e 2018, a renda média caiu 3,44%. Esta perda foi mais forte entre os jovens (-20,1% entre 15 e 19 anos e -13,94% entre 20 e 24 anos), entre pessoas com ensino médio incompleto(-11,65%), entre os responsáveis dos domicílios (-10,38%) e regiões Norte (-6.08%) e Nordeste (-6.43%).

Portal CTB com FGV Social 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha