Notícias

Mobilização de professores cresce no Sudeste-MG; assembleia será na sexta (18/2)

15 de fevereiro de 2022

Em campanha reivindicatória por melhores condições de vida e trabalho, os professores de escolas particulares do Sudeste mineiro ampliam a mobilização e vão às ruas para convocar a categoria e dialogar com a comunidade escolar.

Durante a mobilização, os diretores e diretoras do Sinpro Minas relatam a dificuldade que têm enfrentado para conversar com a categoria, já que as escolas estão impedindo a entrada deles para divulgar o informativo da campanha.

Nesta sexta-feira (18/2), os professores farão uma assembleia virtual, com o objetivo de discutir o rumo do movimento.

“Eles estão barrando nossa entrada nas escolas, mas a campanha cresce a cada dia, com uma maior participação de professores e professoras, além de manifestações de solidariedade de pais e estudantes às nossas reivindicações. Há uma insatisfação grande nas escolas e um clima de insegurança, que traz impactos negativos para o ambiente escolar. No entanto, o patronal se recusa a negociar melhores condições de trabalho para os professores, que constroem cotidianamente um ensino de qualidade na região”, destacou a diretora do Sinpro Minas Mônica Cardoso.

Sem CCT, sem reajuste salarial e sem bolsas de estudos
Na região, os docentes estão há dois anos sem a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) assinada. A CCT é o contrato que assegura os direitos da categoria. Desde o início de 2020, o sindicato patronal (Sinepe Sudeste) se recusa a fechar um acordo.

Várias reuniões de negociação já foram feitas e, em todas elas, os representantes dos donos de escolas reafirmam que, para que isso ocorra, é preciso retirar ou precarizar direitos históricos dos professores. Querem, por exemplo, reduzir o adicional por tempo de serviço dos atuais 5% para 3% e alterar os períodos de férias e de recesso da categoria, entre outras mudanças muito prejudiciais aos professores e ao ambiente escolar.

Como se não bastasse, eles insistem em alterar o critério de distribuição de bolsas. A intenção deles é adotar um critério econômico seletivo e, com isso, acabar com o direito do professor de colocar seu filho para estudar na escola privada.

O patronal também se recusa a conceder um reajuste salarial à categoria, mesmo após as escolas terem aumentado as mensalidades escolares.

Sindicato patronal empurra professores para greve
“Estamos em um impasse criado pelo sindicato patronal, com o nítido objetivo de precarizar as condições de trabalho e de vida dos professores da região Sudeste. Frente a esse quadro, não temos outra saída a não ser ampliarmos nossa mobilização e paralisarmos as atividades docentes. Exigimos respeito e valorização profissional, pois nos dedicamos diariamente à construção de uma educação de qualidade, mesmo diante de todas as adversidades”, ressaltou a presidenta do Sinpro Minas, Valéria Morato, ao destacar que o sindicato não medirá esforços para defender os direitos da categoria.


Assembleia de professores do Sudeste-MG

Data: dia 18 de fevereiro (sexta-feira)
Horário: 17h30
Local: sala virtual do zoom https://us02web.zoom.us/j/87437082024?pwd=YUhvb2Q4NjFtWEUwZlR4d2lsWU5hUT09
Sua participação é fundamental!

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha