Notícias

Mobilização é necessária para o avanço das negociações salariais

12 de abril de 2013

No o dia 9 de abril, na Regional do Sinpro Minas em Barbacena, ocorreu mais uma rodada de negociações entre o Sinpro Minas e o Sinepe Sudeste, visando definir os índices de reajuste salarial dos professores com datas-base em fevereiro e março. O processo negocial, que se iniciou no final de 2012 com a apresentação da pauta de reivindicações dos professores, já se arrasta há alguns meses.

No dia 17 de abril, quarta-feira, os professores se reúnem para mais uma assembleia, às 17h30, no Salão dos Vicentinos – rua Olinto Magalhães, 52 – Centro – Barbacena e também no mesmo dia às 17h30, no Sindicato dos Bancários de Cataguases (rua Joaquim Peixoto Ramos / Travessa José Rossi, 60 – 1º andar – Centro – Cataguases), para discutir os rumos do movimento.Inicialmente, as negociações ficaram travadas em função da posição inflexível da representação patronal. O patronal entendia ser necessária a discussão prévia do calendário escolar para 2014, adequando-o às exigências do artigo 64 da Lei da Copa que, a princípio, define como férias escolares o período entre a segunda quinzena de junho e a primeira de julho. Todavia, a publicação de parecer do Conselho Nacional de Educação a respeito desta questão, assim como a homologação do referido Parecer pelo MEC, definindo que cabe às próprias entidades educacionais adequarem seus calendários escolares, mudou o cenário das negociações que voltaram a ter como ponto central o reajuste salarial.O Sinepe Sudeste apresentou uma proposta de reajuste diferenciado para o piso salarial e para os salários de forma geral e linear, ou seja, 7% de reajuste sobre os pisos salariais da atual CCT e  de 6,3% para os salários. O entendimento da diretoria do Sinpro Minas, que reflete a posição manifestada pela categoria em assembleia, é de que não é possível negociar qualquer reajuste que esteja abaixo do INPC (6,63% para data-base de fevereiro e 6,77% para março). A nossa reivindicação, além da recomposição salarial pela inflação acumulada no período entre as datas-base, é de um percentual a título de ganho real, de modo a valorizar efetivamente o trabalho docente”, afirma o diretor do Sinpro Minas, Dimas Soares. Por isso, o sindicato também reivindica 2,5% de ganho real, mais o percentual de cres­cimento do PIB em 2011, o que representaria um reajuste acima de 12%.O discurso da representação patronal em mesa de negociação tem sido sistematicamente o mesmo há anos, isto é, o de que as escolas privadas estão em crise, perdendo alunos para a rede pública. Argumentam que o índice de inadimplência é muito alto e que o professor é muito caro para a escola. Discurso que não se sustenta pelos dados da realidade atual.Para o Sinpro Minas, há uma enorme defasagem salarial provocada por anos de arrocho salarial imposto pelos donos de escolas que primam pela lógica mercantil e pela busca de lucros crescentes. Na educação infantil, por exemplo, os professores não chegam a ganhar dois salários mínimos por mês, o que comprova o elevado grau de desvalorização do trabalho docente imposto pelos donos de escolas.

Cenário favorável para aumento realSegundo divulgou recentemente o Depar­tamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), 95% das 704 negociações salariais monitoradas em 2012 pelo órgão resultaram em reajustes salariais superiores à inflação, em média 1,96% acima. Foi o melhor desempenho para os trabalhadores desde 1996, quando a série histórica foi criada.O Brasil também registra o menor índice de desemprego nos últimos dez anos. Em fevereiro foram criados 123 mil postos de trabalho e, no ano passado, 1,3 milhão de vagas. Além disso, o nível de atividade econômica iniciou este ano com alta de 1,29% (dados de janeiro, em comparação a dezembro), conforme divulgou o Banco Central.“As condições objetivas para avançarmos estão colocadas. Apesar da crise externa, o mercado interno continua aquecido e com projeção de continuidade da expansão não só da massa salarial, mas do Produto Interno Bruto como um todo. São dados que nos demonstram claramente que o cenário é positivo e não há razões para os donos de escolas se recusarem a atender nossas reivindicações”, afirma o presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis.Sendo assim, é hora de unirmos nossas forças em torno de um movimento de resistência contra a ganância capitalista de um setor que há décadas acumula ganhos em detrimento da valorização salarial dos trabalhadores.É preciso ampliar a mobilização para que as negociações avancem. Professor(a), chegou a hora de mostrar a nossa força. Venha para a assembleia e convide um(a) colega.

Salário dos professores é vergonhoso

Os professores que trabalham na educação infantil e séries iniciais do ensino fundamental recebem R$ 10,77 por hora/aula e um salário mensal de R$ 1.357.02. Esse é um salário médio dos professores desse segmento na região abrangida pelo Sinepe/Sudeste. Há escolas que pagam valores maiores e, também escolas que não pagam sequer os pisos; são os extremos. É dispensável aqui argumentar sobre a importância do trabalho dos professores desse segmento. Em relação ao absurdo desrespeito que esses salários representam, há números que exemplificam bem o baixo poder de compra dos salários da categoria.

Assembleias de Professores 17 de abril – quarta-feira – 17h30

BarbacenaSalão dos VicentinosRua Olinto Magalhães, 52 – Centro

CataguasesSindicato dos Bancários de CataguasesRua: Joaquim Peixoto Ramos/TravessaJosé Rossi, 60 – 1º andar – Centro

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha