Notícias

MP em análise na Câmara agrava caráter privatista do Pronatec

11 de janeiro de 2013

A Contee sempre compreendeu o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) como um projeto privatista, por destinar grande aporte de recursos públicos para o setor privado, representado pelos serviços nacionais de aprendizagem. Isso tornou o chamado Sistema S quase exclusivamente responsável pela educação profissional e tecnológica no Brasil – o que, na opinião da Confederação, não garante uma educação profissional de qualidade, além do fato grave de que não há nenhum critério claro de controle público dos recursos. A situação, contudo, tornou-se ainda mais alarmante com a Medida Provisória 593/12, que está sendo analisada pela Câmara.

Pela proposta em questão, enviada ao Congresso Nacional há um mês a fim de modificar a Lei 12.513/2011, que instituiu o Pronatec, fica permitido que outras instituições privadas de ensino superior ofereçam bolsas do programa. Anteriormente, apenas as redes municipais e estaduais de ensino público e o Sistema S podiam oferecer as bolsas. Além disso, segundo a MP, o Governo poderá repassar recursos às instituições públicas e privadas em valores proporcionais ao número de vagas ofertadas, e não mais ao número de alunos atendidos.

Mesmo com o argumento de que há exigência de devolução dos recursos de vagas não ocupadas ao Governo e obrigatoriedade de que, para conceder bolsas formação do Pronatec, as instituições privadas de ensino superior e as escolas técnicas atendam os índices de qualidade dos cursos de acordo com determinação do Ministério da Educação, a MP agrava o caráter privatista do Pronatec.

A medida, por exemplo, também dá autonomia às instituições de ensino superior dos serviços nacionais de aprendizagem para criar cursos superiores presenciais de tecnologia, alterar número de vagas e ampliar as unidades de ensino. Pelo texto, o Sistema S poderá criar unidades de ensino para educação de jovens e adultos e ensino médio.

O Governo alega que a MP é relevante para ampliar o alcance e a efetividade das políticas educacionais de educação profissional e tecnológica. A urgência da edição da MP, segundo o Executivo, se deve à necessidade de ampliação da oferta de bolsas e instituições de cursos técnicos já em 2013.

A Contee, porém, não só mantém sua posição contrária ao modelo como reforça sua concepção sobre a necessidade de um projeto de desenvolvimento nacional soberano para o Brasil, com fortalecimento da democracia e valorização do trabalho, e entende que, para que esse desenvolvimento se consolide, faz-se necessário fundamentalmente: propiciar o avanço da ciência e da tecnologia; formar profissionais capacitados; desenvolver e regulamentar a educação profissional e tecnológica; universalizar e melhorar a qualidade da educação pública; e impedir a desnacionalização da nossa educação superior. Com a medida proposta pelo Governo, os recursos que poderiam ser utilizados para o desenvolvimento de uma rede pública de educação profissional passarão a ser ainda mais utilizados para o fortalecimento das instituições privadas.

Acesso às bolsasOutro ponto modificado pela MP é o critério de distribuição de bolsas. Antes dela, apenas estudantes de ensino médio de escolas públicas tinham acesso à bolsa formação para curso técnico concomitante, ou seja, feito ao mesmo tempo em instituições diferentes. Com a MP, o acesso aos cursos técnicos incluirá estudantes de escolas particulares com bolsa integral, trabalhadores e beneficiários de programas de transferência de renda, como o Bolsa Família.

O curso técnico poderá ser feito, além de forma concomitante, em outras duas modalidades: integrada, quando uma mesma instituição de ensino oferece o ensino médio regular e o curso técnico; e subsequente, após o final do ensino médio.

O MEC definirá os cursos prioritários a partir das demandas de inovação tecnológica e de produtividade e competitividade da economia do país. As universidades e escolas técnicas privadas que forem oferecer o benefício devem seguir regras de seleção de estudantes, com definição de critérios de renda. O Ministério da Educação também afirma que editará norma para estabelecer mecanismo de monitoramento e acompanhamento, com critérios de transparência e de divulgação das bolsas concedidas.

A MP 593/12 será analisada em uma comissão mista, formada por deputados e senadores. Depois, será votada pelos plenários da Câmara e do Senado. A medida passará a trancar a pauta de onde estiver tramitando a partir de 2 de março.

Fonte: Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha