Notícias

“Não vamos ter qualidade de ensino sem a regulamentação da educação privada”, afirma Valéria Morato em Congresso da UNE

14 de julho de 2023

 

A presidenta do Sinpro Minas, Valéria Morato, foi uma das debatedoras do 59º Congresso da UNE (União Nacional dos Estudantes), que iniciou na quinta-feira (13) e vai até domingo (16), em Brasília. O debate sobre Ensino Privado: Qualidade, Regulamentação e Assistência Estudantil reuniu estudantes, educadores e especialistas para discutir e analisar os desafios e oportunidades relacionados ao ensino privado no Brasil.

“Não vamos ter qualidade de ensino sem a regulamentação da educação privada”, afirmou. Ela afirmou que o processo de mercantilização pelo qual passou a Educação, transformou o que seria um direito em mercadoria. “Além da mercantilização, passamos pela financeirização do ensino. Hoje as escolas e universidades são braços de grandes grupos empresariais, que têm como objetivo o lucro e maximização de resultados.”

Para a professora e sindicalista, a falta de regulamentação permitiu que esses grandes grupos empresariais da educação ampliassem seu poder e fossem beneficiados pelos planos de financiamento estudantil do Estado. “É um ambiente atrativo para os fundos de investimento”, afirmou. “E sem o poder regulador que deveria ser exercido pelo Estado, não há compromisso com a formação de profissionais e cidadãos, nem com desenvolvimento social”

Como consequência, há queda na qualidade no ensino e precarização do trabalho. “A regulação é frágil e não impede que as instituições não cumpram com suas responsabilidades sociais”, explica. “Obter resultados financeiros implica em beneficiar uma minoria de acionistas, em detrimento dos trabalhadores e dos alunos”.

Na opinião de Valéria, “para aumentar o número de alunos – e a lucratividade – há uma migração do investimento em educação para o marketing, construção de prédios e até fundação de campi”, ou seja, a prioridade não é o Ensino. “Isso se traduz em mensalidades mais caras e maior endividamento dos alunos, além de aumento da evasão”.

Um dos exemplos é a ampliação do EaD (Ensino à Distância) sem nenhum critério. “Um contingente enorme de alunos em uma sala de aula, com aulas gravadas, diminui absurdamente os custos com o professor e não oferece qualidade. Além de não oferecer qualidade no Ensino, os trabalhadores também pagam a conta: são pouco valorizados e têm ficado adoecidos com o excesso de demandas”.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha