Notícias

Neoliberalismo está afundando o Brasil; até quando?

30 de outubro de 2019

Na sexta-feira (4), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou dados estarrecedores sobre o crescimento da concentração de riquezas no Brasil. A Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018 mostrou que 1,8 milhão de famílias com renda superior a dez salários mínimos em 2017 abocanharam 19,9% dos rendimentos totais das famílias brasileiras.

Pelo levantamento do IBGE, apenas 2,7% das famílias tiveram rendimento médio de R$ 40,4 mil, em 2017, enquanto 16,5 milhões de famílias (23,9%) viviam com renda mensal de até dois salários mínimos (que em 2017 correspondia a R$ 1.908).

O G1 publicou nesta quarta-feira (30), um estudo que mostra uma situação ainda pior. Com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do IBGE e nos dados da Receita Federal, a consultoria Tendências mostra que a classe A tinha, em 2018, 38,8 vezes mais renda que as classes D/E, quase o dobro apresentado pela Pnad, que foi de 21,4 vezes.

A Tendências comprova o crescimento de concentração de riquezas e por consequência da pobreza a partir do golpe, pois em 2017 a diferença entre os mais ricos e os mais pobres era de 38,3 vezes, houve crescimento de 0,5 em apenas um ano.

Gráfico do G1 mostra o abismo entre pobres e ricos

“É assustador observar como a implantação do projeto neoliberal no Brasil faz o país caminhar para o abismo, aumentando concentração de riquezas, que sempre foi grande, às custas de um crescimento vertiginoso da miséria”, diz Vânia Marques Pinto, secretária de Políticas Sociais da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

A economista da consultoria, Alessandra Ribeiro fala ao G1 o motivo desse estudo, “a Pnad subestima muito a renda das faixas mais altas”, mas “quando é feito o ajuste da massa de renda com dados da Receita, o que se observa é que a diferença da classe A para a classe D e E é muito maior do que os dados do IBGE mostram.”

Para entender melhor a diferença dos cálculos, Alessandra explica que enquanto a Pnad mostra que a todas as rendas somadas dos que ganham acima de 160 salários mínimos é de R$ 14,671 bilhões o estudo da Tendências ,mostra que esse montante é de R$ 397,920 bilhões, uma diferença de 2.612,4%.

Levantamento recente da Fundação Getúlio Vargas (FGV) confirma o crescimento da desigualdade nos últimos anos. De acordo com a FGV, o índice Gini passou de 0,6003 no 4º trimestre de 2014 para 0,6291 no 2º trimestre de 2019 (nesse índice que mede a concentração de renda de um país. Quanto mais perto de 1, maior é a desigualdade).

O estudo da FGV mostra ainda que a renda dos 50% mais pobres caiu 17,1% de 2014 a 2019, enquanto a renda dos 1% mais ricos subiu 10,11% no período. Já a renda da classe média caiu 4,16%.

“O pior é que o atual governo não apresenta nenhum projeto capaz de vencer a crise com a criação de empregos e de combate às desigualdades”, analisa Vânia. Para a sindicalista, “as forças democráticas precisam se unir para pôr fim ao projeto neoliberal em marcha”, caso contrário, “veremos crescer o contingente de miseráveis e o Brasil pode se tornar um país de famintos.”

 
Por Marcos Aurelio Ruy para o Portal da CTB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha