Notícias

Nota de repúdio aos ataques à Marcha do 8 de Março em Pouso Alegre

Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres”. Essa frase da revolucionária Rosa Luxemburgo inspira a luta cotidiana das mulheres contra todas as opressões vividas e sentidas na pele. O simbólico 08 de março, mais uma vez, fortaleceu neste ano a organização e a luta feminista em dezenas de países. A construção de uma greve internacional foi um grito por mais direitos, contra tantas desigualdades e violências. Foi um grito, afinal, a favor da vida.

Em Pouso Alegre, porém, esse grito foi abafado pela Prefeitura da cidade e as mulheres tiveram que se fortalecer ainda mais para exercer o direito à manifestação, garantido na Constituição da República. De acordo com as organizadoras da marcha, estava sendo preparado um evento oficial do município na praça onde houve a concentração para o ato. Representantes da Prefeitura, que estavam no local, proibiram o uso do som no ato das mulheres e um deles chegou a afirmar que a praça é “um bem da Prefeitura e a instituição usa como achar que deve ser usada”. As mulheres, mesmo sem carro de som, começaram a manifestação e foram surpreendidas com a chegada de viaturas da polícia, como se elas estivessem cometendo algum ato contra a lei. Já coagidas com tanta perseguição, as mulheres encerraram o ato às 19h30, antes do início do evento oficial, em que, certamente, o povo não era bem-vindo.

Muitas são as lutas por trás da construção de um ato de mulheres. O peso das obrigações ligadas ao lar e a negação histórica da ocupação do lugar público são exemplos de como a luta política de toda mulher enfrenta obstáculos ainda cultivados na sociedade. O caso ocorrido em Pouso Alegre, em pleno 8 de março, demostra o quanto o machismo está presente em todas as dimensões sociais e como as instituições que deveriam ser aliadas na desconstrução das desigualdades, reforçam a opressão contra as mulheres.

O Sinpro Minas repudia a ação da Prefeitura de Pouso Alegre, que marca mais um triste episódio de machismo e opressão contra os direitos das mulheres, e se solidariza com todas as mulheres envolvidas na organização do ato, que se sentiram perseguidas e alvos de retaliação. O 8 de março carrega um força histórica de tantas mulheres que lutaram e deram suas vidas por um mundo de mais igualdade e foi uma manifestação legítima, assim como qualquer outra que caminhe rumo a mais direitos e conquistas para as(os) oprimidas(os) deste país.

O momento político aponta para grandes retrocessos para a classe trabalhadora, sobretudo para as mulheres. O Sinpro assume o compromisso de caminhar ao lado dessas milhares de guerreiras, ocupando todos os espaços necessários para que mais nenhum grito seja silenciado. 

Diretoria do Sinpro Minas

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha