Notícias

Nota de repúdio às ameaças de violência contra alunos do Estadual Central

25 de outubro de 2016

O Sinpro Minas vê com apreensão a notícia de que os estudantes que ocupam o Colégio Estadual Central, em Belo Horizonte, podem sofrer agressões por outros alunos da escola. O direito de manifestação é constitucional e qualquer tipo de violência é inadmissível. Os estudantes que acamparam no Estadual Central fazem parte de um movimento que ocorre em todo país contra os ataques do governo Temer à educação e ao desmonte do Estado.

Assim como os estudantes, o Sinpro Minas também é contrário à iniciativas como a reforma no ensino médio através da Medida Provisória 746, a PEC 241, que propõe o congelamento por 20 anos dos investimentos federais em Saúde e Educação, a lei da mordaça ou escola sem partido entre outros desmandos desse governo golpista.

Total apoio aos estudantes que lutam por uma educação de qualidade e um país livre. Total repúdio aos grupos que, desconhecendo os caminhos democráticos de luta, apelam para a violência.

Sinpro Minas – Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais

Veja a notícia publicada no Vermelho 

Estudantes que ocupam o Estadual Central sofrem ameaças de agressões

Estudantes de Belo Horizonte que ocupam o Colégio Milton Campos, mais conhecido como Estadual Central, denunciam ameaças de agressões por outros alunos da escola pelas redes sociais. As suspeitas são de que os alunos teriam sido insuflados a usar de violência contra os membros da ocupação por dois homens não identificados que estiveram no colégio na tarde da última segunda-feira (24).

Um evento criado através do Facebook e marcado para as 7 horas da manhã desta quarta-feira (26) incita abertamente a violência “Vai rolar cadeirada, convide seus coleguinhas”, diz a página “O Grêmio Não Me Representa”. Alguns dos comentários da página afirmam “é pra chegar geral chutando a porra das barracas”, “vamos com uns rojões, tomate e faca”.

De acordo com a tesoureira do Grêmio Abre Alas, Bruna Helena, o evento de desocupação é claramente uma ameaça de agressão contra os estudantes. Diante da ameaça de violência o grêmio organiza também para amanhã um ato público contra a tentativa de criminalização dos movimentos sociais e estudantis.

Já estão mobilizados para participar da atividade representantes das Comissões de Direitos Humanos da ALMG e da OAB. “Vamos realizar um ato de solidariedade pelo estudante do Colégio Santa Felicidade, de Curitiba, no Paraná, encontrado morto dentro da ocupação na segunda-feira”, explica Bruna. “Nosso objetivo é fazer um contraponto pacífico diante dessa onda de ódio”.

Ocupa Central

Cerca de 30 jovens ocupam o Colégio Estadual Central desde o último dia 6 outubro contra a reforma no ensino médio promovida pelo governo ilegítimo do presidente Michel Temer através da Medida Provisória 746. Os estudantes também protestam contra a PEC 241 que propõe o congelamento por 20 anos dos investimentos federais em Saúde e Educação.

Ao longo dos quase 20 dias de ocupação os estudantes realizaram uma série de debates para esclarecer a comunidade acadêmica sobre os impactos das recentes propostas do governo federal. Também realizaram diariamente programações culturais e de lazer com o objetivo de integrar o espaço acadêmico à vida e realidade dos alunos. Os estudantes também se organizam e dividem-se em grupos de trabalho para manter a ordem e a limpeza dentro da instituição.

Em todo o país mais de 1070 escolas e 80 universidades federais foram ocupadas contra o desmonte da educação pública. Ao mesmo tempo em que o movimento em defesa da educação pública brasileira cresce, também aumentam as denúncias de que grupos alheios à comunidade acadêmica estão patrocinando a violência nas escolas ocupadas.

Garantia Constitucional

Segundo o advogado do Grêmio Abre Alas e membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-MG, Daniel Deslandes deToledo, as ocupações estudantis são pacíficas e garantidas pela Constituição da República. “Recebemos com muita preocupação denúncias sobre um evento organizado pelas redes sociais, por pessoas ainda não identificadas, com o objetivo de promover a remoção violenta dos manifestantes do colégio”.

“Sabemos de outros acontecimentos parecidos, como o caso do Paraná, em que organizações criminosas incentivaram o ódio contra os estudantes. Não toleraremos esse tipo de ameaça, e já estamos tomando as providências policias e judiciais cabíveis”, enfatiza o advogado.

Fonte: Por Mariana Viel, da redação do Vermelho-Minas

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha