Notícias

Nota do Sinpro Minas sobre o reajuste do plano de saúde

14 de março de 2014

Os planos de saúde da Unimed tiveram um reajuste em janeiro/2014 de 29%. Tal índice surpreendeu os professores e a diretoria do sindicato, pelo seu valor e pela forma que foi aplicado. Muitos associados têm manifestado a sua justa indignação. Sobre o assunto, temos a esclarecer o seguinte:

  • 1 – A diretoria do Sinpro Minas considera e defende a saúde como um direito inalienável do cidadão e da cidade, que deve ser assegurado e garantido pelo poder público. Só existe plano de saúde privado pela omissão do Estado em uma de suas obrigações fundamentais;

  • 2 – Desde 1992, depois de ampla discussão, inclusive em Assembleia da categoria, foi deliberada a celebração de convênio que possibilitasse o acesso de professores a planos (na época feito com a Unimed) em valores mais accessíveis por ser em grupo. Desde então, cerca de sete mil contratos foram celebrados entre professores e a Unimed, tendo o sindicato como estipulante; muitos deles não estão sujeitos as regulamentações posteriores e possuem mensalidades menores do que os praticados individualmente;

  • 3 – Com a implantação da Resolução 195 em 2009 pela ANS (Agência Nacional de Saúde), tornou-se obrigatório conveniar-se a uma Administradora de Plano de Saúde que, por sua vez, contrata a operadora (hoje, Unimed, Sulamérica, Bradesco e Golden Cross). Nossa conveniada é a Qualicorp;

  • 4 – Desde então, há um grupo (antigo) administrado pela operadora Unimed e outro (após 2009) administrado pela Qualicorp, que negocia e define os reajustes justamente com a operadora, no caso, a Unimed;

  • 5 – Portanto, o reajuste aplicado em janeiro/2014 não foi discutido nem teve qualquer interferência do sindicato. Só tomamos conhecimento depois da definição;

  • 6 – A diretoria do sindicato questionou o reajuste, que foi muito acima do que tivemos em nossos salários e dos índices inflacionários, sem, contudo, conseguir a sua redução;

  • 7 – Como os contratos são firmados entre cada professor ou professora e a administradora, o parecer do nosso setor jurídico é de que qualquer ação ou questionamento judicial deve ser empreendido individualmente.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha