Notícias

O cinema na sala de aulaLei obriga a exibição de filmes nacionais nas escolas

28 de novembro de 2014

 

As escolas de todo o país serão obrigadas a exibir filmes de produção nacional, no mínimo, duas horas por mês. A lei 13.006, assinada em junho deste ano, pela presidenta Dilma Rousseff e pelo ministro da Educação, José Henrique Paim, modifica o texto das diretrizes básicas da educação do país, incluindo a exibição dos filmes nacionais como componente curricular complementar integrado à proposta pedagógica das escolas.

 

De acordo com a diretora do Sinpro Minas e coordenadora do cineclube do sindicato, Terezinha Avelar, o cinema em sala de aula significa mais que ilustração de temas. “Um filme motiva alunos e, além disso, enquanto linguagem autônoma, é portador de sentidos e pode dialogar com conteúdos mais variados das disciplinas. Entretanto, para um bom resultado, o cinema precisa ser uma atividade prazerosa e bem preparada. Não pode ser algo para preencher horário vago ou ser obrigatório. Isso faz perder a proposta educativa”, avalia.

 

Para Terezinha Avelar, tudo precisa ser pensado com cautela, desde a escolha do filme de acordo com a idade e maturidade dos alunos, as circunstâncias em que é apresentado, o tempo de exibição, o espaço físico arejado com acústica e iluminação adequadas, até uma boa conversa logo após, para ajudar os alunos a expressarem suas ideias, dúvidas e opiniões. “O filme transcende as fronteiras do interesse e da motivação e abre possibilidades de espaço para discussão, interpretação e inquietações de cada um”, diz.

 

Trabalhar com o cinema em sala de aula, segundo a professora, é propiciar aos alunos o acesso a mais aprendizados de forma lúdica e criativa. “Assim, a seleção dos filmes pode ou não ter alguma articulação com os conteúdos a serem trabalhados na sala de aula, mas precisam ser bem escolhidos. Além disso, logo após a exibição e a conversa com os alunos, o professor precisa sentir, pelo envolvimento e desejo dos alunos se cabe ou não algum desdobramento, alguma ação como campanhas educativas (por exemplo, contra o bullyng) ou um festival de música. Porém, nunca uma atividade avaliativa, pois seria uma verdadeira desconstrução didatizar a sétima arte”.

 

Em Belo Horizonte, a Oficina de Imagens (ONG que trabalha com Comunicação e Educação), desenvolve o projeto Cineclube Sabotage que é a exibição de um filme nacional por semana, seguido de um bate-papo com os alunos, dentro da Escola Municipal Alcida Torres, no bairro Taquaril, desde 2009.  Para a coordenadora do projeto, Nádia Rodrigues Pereira, o cinema é um grande aliado da educação e, assim, “a nova lei representa uma cadeia de mudanças importantes. Será uma mola propulsora, pois a obrigatoriedade criará um hábito, formando um novo público. Infelizmente, no Brasil, independentemente da classe social, não existe um grande público com a cultura do cinema. E estes novos amantes da arte, por sua vez, provocarão a demanda por uma maior produção nacional, com qualidade, principalmente de filmes para crianças e adolescentes”, destaca.  

 

Segundo Nádia Pereira, por outro lado, a escola também terá que pensar em novas práticas e tecnologias de trabalho, desafiando inclusive os professores a se prepararem para se apropriar desta nova linguagem. “O interessante é que não só o professor de História ou Literatura, mas o de qualquer disciplina pode participar desta proposta, pois a Física, a Matemática, a Biologia, a Química estão na nossa vida em todas as situações. E o cinema fala da vida”, afirma.

 

Por Nanci Alves

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha