Notícias

"O golpe foi dado por grandes grupos internacionais", acredita Patrus Ananias

O  deputado federal (PT/MG) e ex-ministro Patrus Ananias esteve no Sindicato dos Professores e concedeu entrevista para a Rádio Sinpro Minas.

Ouça aqui

O deputado federal e ex-ministro Patrus Ananias, em entrevista à jornalista Débora Junqueira, fala sobre as razões do golpe cometido contra a democracia e o povo brasileiro e ressalta que a crise no Brasil é institucional atingindo os poderes executivo, legislativo e judiciário. Ele afirma que setores do poder judiciário estão extrapolando as suas competências constitucionais, assim como do Ministério Público e da Polícia Federal. Patrus acrescenta que o golpe foi dado exatamente por conta dos acertos dos governos Lula e Dilma, em vigorosas políticas sociais como o Bolsa Família; Minha Casa, Minha Vida; Luz para Todos; Prouni etc. O deputado ressalta que a agenda de retrocessos do governo golpista é ligada aos interesses do capital estrangeiro. Patrus fala ainda sobre os caminhos que ele considera importantes para o retorno a um governo democrático que garanta a retomada dos direitos sociais do povo brasileiro.

Estamos numa situação crítica na política. Que avaliação você faz da conjuntura nesse momento?

As crises são momentos também de oportunidades. Essa é uma crise das instituições que atinge o poder executivo em todos os níveis (com um presidente golpista) atinge o poder legislativo e judiciário. Setores do poder judiciário estão extrapolando as suas competências constitucionais, assim como o Ministério Público e a Polícia Federal. Momento que decorre do golpe que afastou a presidenta Dilma do poder.

Eu tenho consciência que nós cometemos erros, mas tenho consciência de que o golpe foi dado por conta dos nossos acertos. Por conta das vigorosas políticas sociais que montamos no Brasil, como o Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida, Luz para Todos, Prouni e outros programas de referência social.

Tudo isso corre risco de retrocesso e há medidas como a reforma do ensino médio e da Previdência. Qual a saída para que possa voltar um governo progressista e a população carente tenha acesso há mais programas como esses ?

Agenda do governo golpista é de retrocesso, privatização do pré-sal, PEC 55 que congela o país, educação que não estimula a reflexão, escola sem partido, agora a reforma da Previdência.

Para enfrentar essa situação é fundamental a união das esquerdas, aliança de movimentos rurais e urbanos, movimentos ecumênicos e de empresários que tenham compromisso com as gerações futuras.

Estou trabalhando um texto que vai se chamar Brasil Crises e Possibilidades. De um lado temos que ver as extraordinárias possibilidades do país. Não podemos perder de referência que esse é um país intercontinental com terras produtivas, condições climáticas favoráveis, recursos minerais, biodiversidade, água…

Justamente por isso que o capital internacional também tem interesse no nosso petróleo e no país como um todo.

Estou convencido de que o golpe foi dado por grandes grupos internacionais e também por interesses de nações poderosas, as quais não interessam um país soberano como o Brasil com as potencialidades que nós temos do país se tornar uma potência forte e socialmente justa.

Nesse sentido é que eu penso que as esquerdas devem avaliar as nossas relações com as forças centristas ou com a burguesia brasileira. Eu estou questionando muito se realmente existe uma burguesia brasileira, ou seja, uma burguesia comprometida o futuro do nosso país. Eu estou considerando com muita seriedade a ideia de que a nossa burguesia seja apátrida. Como nós não tivemos uma revolução burguesa no Brasil. Como dizia o Darci Ribeiro e outros estudiosos, há uma elite dissociada do projeto nacional. É uma elite colonizada e colonizadora.

Todas as vezes que o Brasil se prepara para alçar um voo mais alto como agora (Estávamos achando que o país entraria num outro estágio de desenvolvimento econômico e social, político e cultural) há um retrocesso ligado a interesses poderosos do capital internacional com o apoio dos seus históricos serviçais no Brasil.

Eu penso que o desafio no campo da esquerda é refletir sobre isso, talvez o caminho no curto prazo seja coesionar mais as forças de esquerda e juntos construírmos um projeto de país. Podemos buscar interlocuções outras inclusive no chamado centro e em setores da burguesia brasileira, mas com um projeto elaborado por nós sobre o Brasil que nós queremos legar para filhos e netos.

Ouça a entrevista pela Rádio Sinpro Minas

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha