Notícias

Ônibus e Metrô de SP vão parar na greve geral contra a reforma da Previdência

Categorias que respondem pelo transporte de 14 milhões de pessoas por dia decidiram aderir à paralisação nacional do dia 14 de junho contra o desmonte da Previdência Social
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
Motoristas e cobradores de ônibus da capital paulista aprovaram no dia 16 de maio a participação na greve geral convocada para 14 de junho, contra a proposta de “reforma” da Previdência do governo Bolsonaro. A paralisação dos ônibus foi decidida em assembleia realizada pelo Sindicato dos Motoristas e deve ser de 24 horas. No dia 6 de maio, os metroviários paulistas também decidiram pela paralisação do Metrô durante o movimento nacional.
No dia 27, trabalhadores do setor de transportes vão se reunir para definir a atuação da categoria nas mobilizações contra o desmonte da previdência pública. Metroviários, ferroviários, trabalhadores dos ônibus municipais e metropolitanos da capital e de outras cidades da grande São Paulo são esperados no encontro.
As centrais sindicais consideram fundamental a boa articulação da greve no setor de transportes. Em 2017, a greve geral de 28 de abril deixou paralisados os sistemas de transportes da capital paulista e da região metropolitana de São Paulo, abrangendo ônibus municipais e intermunicipais, Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Ruas e avenidas ficaram vazias e os índices de congestionamento registrados pela Companhia de Engenharia de Tráfego foram ínfimos.

Campanha salarial

Além da adesão à greve geral, os motoristas e cobradores de ônibus da capital paulista decretaram estado de greve por conta da falta de propostas dos empresários na campanha salarial deste ano. O sindicato deve se reunir com o prefeito Bruno Covas (PSDB), na segunda-feira (20), para pedir que a prefeitura intervenha nas negociações e evite uma paralisação do serviço. A categoria vai realizar nova assembleia no mesmo dia e decidir se inicia greve na terça (21).

“Esperamos que o poder público intervenha a favor dos trabalhadores e faça com que os empresários abram mão da sua ganância. Vamos comunicar o prefeito da decisão da nossa categoria. Nenhum ônibus vai andar na cidade de São Paulo até que as nossas reivindicações sejam atendidas”, disse o presidente do sindicato, Valdevan Noventa.

Os trabalhadores reivindicam reajuste salarial que recomponha a inflação do período (4,94%), mais aumento real de 3%, vale-refeição de R$ 27, participação nos lucros ou resultados (PLR) de R$ 2 mil, seguro obrigatório para cobertura de avarias nos veículos causadas por terceiros, garantia de emprego dos cobradores diante das alterações ocorridas na nova licitação – que prevê o fim da função –, entre outros itens.
Motoristas e cobradores rechaçaram a proposta do sindicato patronal, SPUrbanuss, que propôs reajuste salarial de 4,18% (abaixo da inflação do período), aumento de R$ 0,80 no vale-refeição, intervalo de almoço de uma hora sem remuneração, exclusão da PLR e jornada flexível. Já foram realizadas quatro reuniões, sem acordo. A data-base é 1º de maio.
O sindicato avalia que não há justificativa para um reajuste tão baixo, já que os empresários estão “rindo à toa” com os lucros que terão na exploração do sistema de transporte público da capital paulista pelos próximos 20 anos. Sem concorrência, a nova licitação do transporte coletivo de São Paulo acabou vencida pelos mesmos empresários que atuam no sistema desde 2003 e com o valor máximo de remuneração.
A margem de lucro proposta pela gestão do prefeito Bruno Covas ficou acima daquela definida pela auditoria ocorrida no sistema em 2014. Além disso, a gestão Covas reduziu a integração do Bilhete Único Vale transporte e aumentou o valor cobrado nessa modalidade para R$ 4,57, aumentando a receita. Essa mudança está sendo questionada na Justiça.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha