Notícias

Organizações protestam contra PEC 241: negação de direitos fundamentais

A Câmara dos Deputados está prestes a votar em segundo turno a  Proposta de Emenda Constitucional 241  que estabelece um congelamento de gastos públicos por 20 anos. Diversas entidades da sociedade civil se posicionaram sobre a medida e consideram que, se aprovada, o projeto representará um duro golpe à saúde e à educação pública. Economistas também afirmam que a PEC pode deixar o salário mínimo sem aumento real por 20 anos.

Além do conteúdo, críticos também apontam que o Congresso, pressionado pelo governo federal, vem tentando aprovar a medida em um ritmo que inviabiliza o debate público sobre o tema, medida considerada indispensável tendo em vista que a PEC faz uma alteração substancial na Constituição Federal e valerá pelos próximos 20 anos.

Saiba + Prestes a ser votada, PEC 241 inviabiliza o direito à educação pública universal

Diversos movimento já se posicionaram contra a PEC e se somam as vozes contrárias a medida o Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil ( MIEIB), o Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública (MPASP), a Rede Nacional Primeira Infância (RNPI), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), a Campanha Nacional pelo Direito à Educação e a Pós-graduação em Teoria Psicanalítica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) que divulgaram uma nota pública.

Tais entidades chamam atenção dos riscos que a PEC representará para a primeira infância. Os direitos, em especial os da criança e do adolescente, não podem ser suspensos, nem seu atendimento protelado. A Constituição manda atendê-los com absoluta prioridade (art. 227). Grabriela Mistral já alertava que “à criança não podemos dizer amanhã. Seu nome é hoje”, escrevem as entidades em nota que segue na integra abaixo.

Nota pública sobre e Proposta de Emenda Constitucional 241 

A Proposta de Emenda Constitucional – PEC 241 – encaminhada pelo Poder Executivo ao Congresso Nacional, pretende modificar a Constituição da República Federativa do Brasil, criando um Novo Regime Fiscal para ajuste das contas públicas. Tramita com inusitada pressa, sem o indispensável debate sobre suas profundas consequências na vida das pessoas.

A área social será gravemente afetada pelo congelamento do orçamento durante 20 anos. Até 2037, mesmo que o País cresça, a saúde, a educação e a assistência não poderão receber recursos superiores ao valor aplicado em 2017, estabelecido como teto e corrigido anualmente apenas pela inflação. Congelar recursos públicos para os direitos fundamentais dos cidadãos equivale a negar esses direitos.

Somos favoráveis à adoção de medidas de reequilíbrio da economia e das contas públicas, que levem o País à retomada do crescimento e dos empregos. Entretanto, isso pode ser feito por outra via que não a asfixia dos recursos da área social. O que o País aplica em saúde, educação e assistência social não é gasto, mas investimento. É investimento com as mais altas taxas de retorno. Os economistas sabem desse fato comprovado.

Os direitos, em especial os da criança e do adolescente, não podem ser suspensos, nem seu atendimento protelado. A Constituição manda atendê-los com absoluta prioridade (art. 227). Grabriela Mistral já alertava que “à criança não podemos dizer amanhã. Seu nome é hoje”.

Uma proposta com implicações tão dolorosas e prolongadas na vida dos cidadãos não pode ser votada e aprovada sem que a população dela tenha conhecimento, opine e debata até que se chegue a um acordo. É contraproducente e antidemocrático aprovar uma proposta como a PEC 241 açodadamente.

Diante desse quadro da mais extrema gravidade social e política, organizações e movimentos representativos da sociedade civil criaram a AÇÃO EM DEFESA DOS DIREITOS SOCIAIS, com o objetivo de exigir maior debate social sobre a PEC 241, advertir sobre o erro histórico que seria a aprovação dessa Proposta. Consideramos que há outros setores em que o corte de gastos públicos pode ser feito com mais propriedade, sem violentar os direitos fundamentais dos cidadãos, dever prioritário do Estado.

Nossa posição é amparada por vários estudos, dentre os quais destacamos:

A Nota Técnica da Procuradoria Geral da República PGR/SRI nº 82/2016, que afirma que a PEC 241 é flagrantemente inconstitucional

A Carta Aberta da Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ:

A PEC 241 e os impactos sobre os direitos sociais, a saúde e a vida;

A Nota Técnica nº 27/2016 do IPEA sobre as graves implicações da PEC 241 para a política de assistência social;

O Alerta da Campanha Nacional pelo Direito à Educação sobre as consequências do congelamento do orçamento da Educação, proposto pela PEC 241, mostrando que ele inviabiliza o Plano Nacional de Educação 2014-2024, aprovado pela Lei 13.005/2014 depois de um amplo debate com toda a sociedade;

A Nota Oficial do Conselho Nacional de Saúde: Por uma solução das contas públicas que respeite os direitos sociais;

O Posicionamento da Fundação Abrinq, que alerta para a necessidade de exclusão dos investimentos em saúde, educação e assistência social do limite de gastos proposto pela PEC 241;

A Carta Aberta da ABRASCO em defesa do SUS, dos direitos sociais e da democracia.

A Nota conjunta da Undime, Congemas e Conasems, sobre a Proposta de Emenda Constitucional 241 de 2016.

A Ação em Defesa dos Direitos Sociais confia no compromisso democrático dos Deputados e Deputadas e dos Senadores e Senadoras com os princípios da Constituição Cidadã de 1988 e na lucidez do Congresso Nacional em defender o dever do Estado em garantir os direitos das pessoas à saúde, à educação, à assistência e a outros direitos fundamentais. Estes direitos não podem ser trocados pela necessária ação saneadora, que elimine a sangria dos recursos do Orçamento federal com a dívida pública, anualmente incrementada pela mais elevada taxa de juros, que beneficia apenas o capital financeiro privado, nacional e internacional.

Todos sabemos que não foram os aproximadamente 10% aplicados em saúde, educação e assistência social que causaram o rombo nas contas públicas. Não são as áreas de saude, educação e social que devem pagar a conta. O rombo vem principalmente do pagamento dos juros da dívida, que consomem entre 43 e 48% do Orçamento. Atacar a raiz do problema requer discernimento, espírito público e coragem. A opinião pública está atenta, confiando que os representantes do povo estejam à altura desse desafio.

Brasília, 10 de outubro de 2016

AÇÃO EM DEFESA DOS DIREITOS SOCIAIS

Aleitamento.com

Aliança pela Infância

Associação Brasileira de Saúde Coletiva – ABRASCO

Associação Brasileira de Estudos Sobre o Bebê – ABEBÊ

Associação Cidade Escola Aprendiz

ANDI – Comunicação e Direitos

Associação de Pesquisadores de Núcleos de Estudos e Pesquisas sobre a Criança e o Adolescente – NECA

Associação Terapêutica de Estimulação Auditiva e Linguagem – ATEAL

AVANTE – Educação e Mobilização Social

Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social – CONGEMAS

Campanha Nacional pelo Direito à Educação

CIESPI/ Puc-Rio

Criança Segura Safe Kids Brasil

Centro de Referências em Educação Integral

Estratégia Brasileirinhas e Brasileirinhos Saudáveis – IFF/FIOCRUZ

Frente Estadual Antimanicomial – SP (FEASP)

Fórum de Formação em Saúde da PUC-SP

Inclui Mais

Instituto Alana

Insituto Avisa Lá

Instituto da Infância – IFAN

Instituto Noa

Instituto Promundo

Instituto Viva Infância

La Casa Incierta

Laboratório de teoria Social, Filosofia e Psicanálise- LATESFIP/USP

MAIS – Movimento de ação e Inovação social

Mapa da Infância Brasileira

Movimento Nacional de Direitos Humanos- MNDH

Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil – MIEIB

Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública – MPASP

Move – Avaliação e Estratégia em Desenvolvimento Social

Ninguém Cresce Sozinho

Núcleo de Ação Integrada – SC

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação Infantil e Infâncias NEPEI/ UFMG

Núcleo de Estudos e Pesquisas Lógicas Institucionais e Coletivas da PUC-SP

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Simbolismo, Infância e Desenvolvimento

OMEP Brasil

Portal 4daddy

Rede Nacional Primeira Infância – RNPI

Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares

Secretaria de Estado de Saúde do Acre – SESACRE

Shine a Light

Sindicato dos Psicólogos de São Paulo _ SinPsi/SP

União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação – UNDIME

United Way Brasil

Visão Mundial

Esta lista está aberta à adesão de organizações e redes que lutam contra as consequências negativas que ocorreriam em suas respectivas áreas, caso a PEC 241 viesse a ser aprovada. Favor enviar a adesão para secretariaexecutiva@primeirainfancia.org.br

Fonte: educacaointegral.org.br

Assine a Petição Pública contra a 241

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha