Notícias

Orquestra Sinfônica de MG é a vencedora do Prêmio Carlos Gomes

10 de maio de 2010

Bravo! Aplausos! As galerias do Palácio das Artes empapuçadas em palmas de um público delirante com a uma vitoriosa apresentação sinfônica. Assim a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais deveria receber o honroso Prêmio Carlos Gomes de Música Clássica de 2010, o mais importante da música erudita brasileira.

 Em um concorrido evento realizado em São Paulo, o resultado foi divulgado nesta quarta-feira (5) e premiou as melhores produções, grupos e cantores de 2009. A montagem A Menina das Nuvens, de Heitor Villa-Lobos, que a OSMG apresentou no Grande Teatro do Palácio das Artes em setembro, sagrou-se a grande vencedora da noite.

Recebeu os prêmios de Melhor Espetáculo de Ópera, Cenário (Rosa Magalhães), Iluminação (Pedro Pederneiras), Regente de Ópera, (Roberto Duarte) e Cantora Solista (Gabriella Pace). O maestro Roberto Tibiriçá, atual regente titular da OSMG, foi eleito Regente Sinfônico de 2009, por seu trabalho frente a Orquestra de Heliópolis.

Roberto Duarte, maestro eleito o melhor Regente de Ópera de 2009, dividiu a premiação com a equipe de direção e destacou o comprometimento e o trabalho da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, que “encarou o desafio de enfrentar uma partitura ainda manuscrita e não mediu esforços para interpretar a obra de Villa-Lobos”. Tradição Quem acompanhou a luta dos músicos da Orquestra Sinfônica nestes últimos anos entende bem o que significou esta vitória para a música mineira. A OSMG foi fundada em 1979 e já emocionou muita gente no Grande Teatro do Palácio das Artes em óperas inesquecíveis. Já foi acompanhada por milhares de vozes nas relvas do Parque Municipal em eventos como o Domingo no Parque. Foi vista por mineiros de todos os cantos por entre montanhas nas centenas de apresentações por cidades nas muitas minas gerais afora.

Apesar da sua tradição e de ser um patrimônio do povo mineiro, em 2006 a então secretária de cultura do governo Aécio Neves, Eleonora Santa Rosa (que nada tem de Rosa e muito menos de Santa, vide os processos no Ministério Público), tentou acabar com a OSMG. Fez de tudo para transformá-la em uma OSCIP (Organização Social de Interesse público). Para o bem da nossa música, um grupo de músicos resistiu à mudança. Eles não concordaram com a proposta de abandonarem a carreira no Estado, conquistada por meio de concurso público, e passarem a fazer parte de uma entidade privada. Depois dois anos de negociações, os “rebeldes” recorreram às vias judiciais e foram para a rua em inúmeras manifestações. O Tribunal de Justiça concedeu liminar favorável à ação popular movida pelos músicos, não só mantendo-os como funcionários públicos, mas também assegurando a manutenção da existência da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, que deveria continuar vinculada ao Estado.

Estranha relaçãoPatrocinada por Santa Rosa, manteve-se a criação da OSCIP, no início com o desplante de usar o mesmo nome da OSMG. Com uma nova derrota na justiça, a entidade foi obrigada a mudar o nome para Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Da criação até hoje, a OSCIP é sustentada por uma estranha relação público-privada, com previsão de receber este ano milhões de reais dos cofres do Estado, além de funcionar nas dependências do Palácio das Artes.Por estas ironias boas que o destino nos dá, a OSMG depois de desbancar outros dez concorrentes, venceu na finalíssima do Prêmio Carlos Gomes justamente a Orquestra Filarmônica de MG, além da OSESP (de São Paulo). As três Orquestras disputaram no voto popular e na escolha de jurados.

Na época dos tempos mais difíceis, Fernando Santos, um contra-baixista que está na Sinfônica há 15 anos, desabafava: “Só deus sabe o que passamos e estamos passando, mas estamos contentes porque a resistência tem valido a pena, na prática, a histórica OSMG permanece altiva, para desgosto dos que a queriam ver morta.”

Eufórico com o resultado do Prêmio Carlos Gomes, na manhã desta quinta-feira (6) o mesmo Fernando, que é vice-presidente da Associação dos Músicos da Orquestra Sinfônica era só alegria. Abraçado com seus colegas de Orquestra, Fernando conta que valeu a pena muito lutar pela manutenção da Instituição Pública e que a premiação traz força para buscar as próximas conquistas, como completar o quadro de músicos, substituindo os que migraram para a Filarmônica.

La TraviataDepois de tanto merecimento, a Orquestra vai ter a oportunidade de receber os aplausos entusiasmados de um Palácio das Artes lotado, imaginado no início do artigo. Será a partir do dia 18, com a apresentação da ópera “La Traviata”, de Giuseppe Verdi, que fica em cartaz também em 22, 25, 26 e 27 de maio. A OSMG abrirá a temporada 2010 com aquela que foi a primeira peça apresentada no Palácio das Artes, logo após a finalização de suas obras e inauguração oficial, em agosto de 1971.

Como uma combinação de significados, o troféu de Melhor Espetáculo de Ópera do Prêmio Carlos Gomes foi entregue em São Paulo pelas mãos de Niza de Carlos Tank, que representou Violeta Valery – protagonista da ópera La Traviata – no Palácio das Artes, na apresentação de 1971.

Os prêmios que chegaram em boa hora vieram além de brindar o fabuloso trabalho da Orquestra, ensinar que tem coisa que o dinheiro não compra e muito menos consegue destruir: a tradição, a altivez e a boa música são algumas delas. Bravo Orquestra, vocês deixam os mineiros cada vez mais orgulhosos, por seu talento, perseverança e senso de justiça.

Fonte: Vermelho Minas

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha