Notícias

Os primeiros dados do TSE sobre as eleições municipais: Raça e gênero

19 de agosto de 2016

Quantidade das candidaturas femininas se manteve em 31%, as não brancas somam 46% do total.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) consolidou as primeiras estatísticas sobre o perfil das candidaturas para as eleições municipais deste ano. No total há 324.078 mil pessoas concorrendo as cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador. E alguns destes números já podem nos dar alguma noção das disputas políticas e ideológicas que estarão apresentadas nos pleitos de 2016. A primeira delas é que há uma manutenção na porcentagem de candidaturas femininas se compararmos com as eleições municipais de 2012. 31% das candidaturas registradas são de mulheres – bom lembrar que o número pode ser maior, já que neste dado não se contabiliza as pessoas trans que ainda não tem a garantia do reconhecimento da identidade de gênero.

Em 2012, houve o aumento da participação feminina na disputa eleitoral de 22% para 31%. O número de candidatas, naquela época, aumentou 73% e um dos maiores fatores foi a mudança na legislação eleitoral. Em 2009, foi modificada a lei eleitoral sobre o tema das cotas de 30%. Os partidos políticos começaram a ter não que reservar uma cota de candidaturas femininas, mas preencher a cota para poder inscrever suas chapas no processo eleitoral.

A manutenção da porcentagem e a configuração eleitoral em parte das grandes cidades brasileiras nos revelam um outro dado importante: O debate sobre o direito das mulheres ganhou certa relevância no cenário político no último período. Fosse por conta das movimentações em 2015 das mulheres ocupando as ruas em diversos momentos. Tivemos a “Primavera Feminista”, Marcha das Margaridas e a Marcha de Mulheres Negras fincando politicamente os temas que nos atingem diretamente no centro do debate. Tanto que temos mulheres com qualidade política e comprometidas com as pautas feministas disputando as principais prefeituras no Brasil. Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Porto Alegre e Curitiba são apenas algumas das cidades em que mulheres estão disputando o executivo este ano.

A questão da representatividade tomou conta do debate político, não apenas o geral, mas também municipal. A necessidade de pensar de forma mais contundente projetos de cidades que não sejam excludentes, garantindo política pública para as mulheres, LGBTs e população negra e indígena tem sido uma tônica junto as candidaturas mais progressistas a prefeituras este ano. O mesmo se dá pra candidaturas nas eleições proporcionais. Iniciativas como “Vote numa feminista“, “Vote LGBT” e “Enegreça o seu voto” acabam dialogando diretamente com essa necessidade de se pensar projetos políticos e representatividade de forma combinada. Além de ajudarem a retirar da invisibilidade candidaturas que, normalmente, não teriam atenção de boa parte do eleitorado brasileiro por tocarem em temas espinhosos.

Este ano é a primeira vez que temos acesso a dados sobre candidaturas não brancas nas eleições municipais brasileiras. Foram registradas 150.853 mil pessoas não brancas para concorrer as eleições municipais brasileiras. Os dados disponibilizados até o momento pelo TSE não consolidam quantas destas seriam candidaturas negras levando em conta o critério mais atual do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Desde o último censo tem se usado o critério para determinar o tamanho da população negra brasileira a quantidade de autodeclarados pretos e pardos no Brasil. Os dados do TSE apenas especificam a quantidade de pessoas pardas que registraram candidatura, são 37% do total geral destas eleições de candidatos.

Tanto a quantidade de mulheres, quanto a de pessoas não brancas disputando as eleições revelam o quanto estamos distantes de uma adequação na representatividade de setores sociais importantes no Brasil. As mulheres compõem mais da metade da população e mais de 50% dos brasileiros se autodenominam negros, assim, 25% dos brasileiros são mulheres e negras.

Ou seja, os temas políticos ligados estruturalmente a estes dois setores sociais tem ocupado espaço importante na disputa política e ideológica que enfrentamos no Brasil desde o golpe parlamentar. Porém, se de um lado há um aumento do peso político destes temas no debate mais geral não avançamos do ponto de vista eleitoral na garantia representativa e política de candidaturas que expressem a maioria da conformação da população brasileira hoje.

O fato do espaço político ser estruturalmente e organicamente constituído como um espaço de poder branco, masculino e heterossexual deixam desafios ainda maiores paras as candidaturas femininas, LGBTs e negras: Quebrar o muro que marginaliza e separa o Brasil por meio do machismo, LGBTfobia, racismo e opressão de classes. Colocar o dedo nas feridas que mais doem e mais colocam os senhores das caravelas e capitanias hereditárias em contradição.

A criação de espaços que divulguem as candidaturas dos setores mais oprimidos na sociedade é uma das ferramentas que temos para tirá-las da invisibilização política estrutural. Porém, a cada eleição e a cada dado divulgado pelo TSE e, atualmente, o advento do golpe nos colocam a necessidade de pensar de forma profunda uma reforma política. Inclusive para radicalizar de forma profunda a democracia e a garantia de participação neste processo de setores que historicamente tiveram sua cidadania negada no Brasil.

Fonte: Opera Mundi

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha