Notícias

Participação das mulheres nas entidades sindicais ainda é baixa

3 de maio de 2011

O VII Encontro de Gênero da CONTEE, realizado em São Paulo, nos dias 13 e 14 de abril, trouxe uma importante discussão à baila: a participação das mulheres nas entidades filiadas à CONTEE. O debate teve como base uma ampla pesquisa realizada pela Confederação, que levantou o número de homens e mulheres que compõe as diretorias dos sindicatos e federações filiados. A categoria de trabalhadores em educação é majoritariamente feminina. Segundo pesquisa do Ministério da Educação, realizada em abril de 2010, as mulheres são 50% entre professores do ensino superior; 71% do ensino médio; e 85% do ensino fundamental. Entretanto, essa representatividade ainda não se reflete nas organizações sindicais. E essa é uma realidade recorrente no movimento sindical, onde a participação feminina ainda é limitada em muitas categorias. Entre os dados apresentados no Encontro, foi constato que, entre os 1838 dirigentes que formam as diretorias das 81 entidades filiadas à Confederação, 60,07% são homens e 39,93% mulheres. A diferença torna-se ainda mais expressiva quando focamos a participação das companheiras nos cargos de presidência e coordenação das entidades. Nestes casos, os homens ocupam 78% dos postos de direção das entidades. Para a Secretária de Gênero e Etnia da CONTEE, Nara Teixiera, apesar a eleição da presidenta Dilma Rousseff, o Brasil ainda precisa avançar muito para garantir às mulheres igualdade na ocupação dos espaços sociais. “No mundo do trabalho, a mulher ainda tem que conviver com o absurdo das diferenciações salariais, além de outras discriminações”, ressaltou Nara. Segundo a Secretária, a desigualdade não se dá de forma linear entre os diversos setores do mundo do trabalho e existem contrastes expressivos. “As mulheres representam 39,3% da força de trabalho na indústria nacional; 26,1% na agricultura; e apenas 6,3% na construção civil. Infelizmente, alguns “tabus” ainda sobrevivem em pleno século XXI. Somos 77,6% nos serviços domésticos, de acordo com o Dieese”, destacou.Contudo, a luta das mulheres nos movimentos sociais e sindicais não se limita à questão de gênero, como destaca a dirigente: “ao lado da justa luta pelos direitos da mulher, nós, mulheres sindicalistas, também temos que desenvolver a luta por maior justiça social, pela construção de uma sociedade igualitária para todos e todas. E entrelaçar de forma eficaz essas bandeiras é o grande desafio para as mulheres conscientes de seus direitos”, finalizou.

Fonte: Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha