Notícias

Piso Salarial Regional pode ser um instrumento de superação de desigualdades

5 de setembro de 2011

Minas Gerais responde por, aproximadamente, 9% do Produto Interno Bruto Brasileiro (PIB), sendo o 3º maior do País, atrás de São Paulo e Rio de Janeiro, mas ainda apresenta muitas desigualdades entre os municípios. Conforme estudos de 2009 e 2010 do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional de Minas Gerais (Cedeplar), ligado à UFMG, a economia de Minas Gerais deve permanecer estável pelos próximos 10 anos.

 

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2008 indicam que a região Central responde por 46% do PIB do Estado. O Sul de Minas representa 12,2% e o Triângulo, 11,2%. As menores porcentagens são da região do Noroeste de Minas, de 1,8%, do Jequitinhonha/Mucuri, de 1,9%, e do Norte, de 4%.

 

A implantação de um piso regional de salários foi destacada como instrumento de proteção das categorias não organizadas, diminuição da desigualdade de rendimentos, aumento da capacidade de compra e da demanda por produtos e serviços e redução dos níveis de pobreza, durante o Ciclo de Debate Piso Salarial em Minas Gerais, realizado pela Assembleia de Minas, no dia 26 de agosto. Deputados, especialistas e sindicalistas foram unânimes em defender o piso como condição de desenvolvimento e condenaram a ideia de que ele pode gerar prejuízos para a economia.

 

O autor do requerimento para realização do debate, deputado Celinho do Sinttrocel (PCdoB), afirmou que Minas Gerais não pode ficar fora desse cenário e defendeu a implantação do piso salarial regional. Ele lembrou que é autor do Projeto de Lei (PL) 77/11, que trata da implantação e dos valores do piso salarial das categorias profissionais dos trabalhadores no Estado, ao qual foi anexado o PL 178/11, do deputado Rogério Correia, que trata do mesmo assunto.

 

O deputado Rogério Correia (PT) também afirmou que é preciso acabar com a ideia de que o aumento de salário dos trabalhadores poderá gerar prejuízos à economia. “Estados que tenham uma concentração maior de empresas e de recursos devem aumentar o valor do salário mínimo pago”, defendeu.

 

O presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Gilson Reis, também participou do evento. Para ele, a valorização dos salários e dos trabalhadores é uma das principais maneiras de acelerar o crescimento da economia de Minas Gerais e do Brasil, reduzindo as desigualdades sociais. “Precisamos ampliar a discussão sobre o piso, envolvendo toda a sociedade, para que essa realidade seja alterada”, ressalta.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação da ALMG

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha