Notícias

Polícia reprime manifestação estudantil

25 de abril de 2008

Nota de repúdio à ação da polícia em Montes ClarosO Sinpro Minas repudia veementemente a ação violenta e repressora da Polícia Militar de Minas Gerais, ocorrida na manhã dessa quinta-feira (24), em Montes Claros, contra a manifestação de estudantes, pais de alunos e dirigentes sindicais pelo meio-passe e por uma educação de qualidade. Na ocasião, a diretora do Sinpro Minas, dirigente da CTB e da Contee, Celina Arêas, e representantes do movimento estudantil foram presos.

O sindicato acredita que, ao agir de forma truculenta, impedindo uma manifestação pacífica, a polícia promove um ataque à democracia. Essa é a segunda repressão da PM contra o movimento estudantil, em um curto espaço de tempo. No início deste mês, situação semelhante ocorreu dentro do campus da UFMG, em Belo Horizonte. Dessa forma, o Sinpro Minas reitera o repúdio à ação da polícia realizada em Montes Claros e espera que a liberdade de expressão possa prevalecer em Minas Gerais. Leia a matéria abaixo: Terminou em pancadaria a ação brutal da Polícia Militar contra a manifestação dos estudantes pelo meio-passe nesta quinta (24/04) em Montes Claros, no Norte de Minas. Milhares de estudantes reivindicavam meio passe no transporte urbano do município e foram recebidos com violência pela polícia, que prendeu estudantes, sindicalistas e outros líderes do movimento.  A manifestação, que teve início às 8 horas, na Praça Dr. Carlos, seguiu de forma ordeira em passeata por diversas ruas e avenidas da área central. Os estudantes proferiram palavras de ordem e cantaram refrões pela liberação do meio-passe e contra a mercantilização da educação na cidade.

Os manifestantes queriam que o prefeito, Athos Avelino (PPS), e o secretário de Transportes recebessem uma comissão dos estudantes, a fim de que uma proposta sobre a reivindicação fosse oficializada. Ao chegar à prefeitura, um cordão de isolamento, feito pela guarda municipal nas escadas do prédio, já esperava a passeata, que, nesse momento, já contava com cerca de 3,5 mil estudantes. Nesse momento, as lideranças do movimento receberam a notícia de que o vice-prefeito, Sued Botelho, que havia previamente marcado a audiência com os estudantes, tinha se ausentado do município, mesmo argumento usado para justificar a ausência do prefeito.

Uma comissão de líderes do movimento, formada por membros da UNE, UEE, UBES, UCMG, mais o vereador Lipa Xavier (autor do projeto de lei do meio-passe), foi tirada para conversar com representantes da administração municipal, enquanto os estudantes ocupavam o saguão do prédio da prefeitura, de forma pacífica e cantando os refrões alusivos ao meio-passe. Nesse momento, a polícia cercou o prédio, dividiu o grupo que estava no saguão e isolou as lideranças do restante dos manifestantes. O que se viu a partir daí foi um espetáculo de violência e brutalidade contra os adolescentes e demais participantes, pelo simples fato de estarem gritando suas palavras de ordem e pedindo a liberação de dois outros estudantes que já haviam sido presos e colocados numa das viaturas estacionadas no local.

Primeiro utilizaram sprays de pimenta contra o grupo que já havia sido isolado no saguão da prefeitura. Depois utilizaram cães adestrados, bombas de gás lacrimogêneo, cassetetes e balas de borracha. A diretora do Sinpro Minas, dirigente da Contee e da CTB, Celina Arêas, foi derrubada na escadaria da prefeitura, sofrendo escoriações nas costas. “Fui agredida e empurrada escada abaixo”, disse Celina, que acabou presa junto com outras lideranças do movimento estudantil. “Esta luta é legítima e nunca deixamos de manifestar nosso apoio, como sindicalistas, a esta reivindicação que vem sendo negada sem nenhuma justificativa pelo prefeito”, afirmou a diretora.

A brutal ação policial foi orquestrada em parceria com a segurança da prefeitura, numa ação nunca vista na cidade e que lembrou os “anos de chumbo” da ditadura militar. A prova de que a operação policial foi planejada é que, em frente a cada hospital que recebia os estudantes machucados pela ação policial, posicionou-se uma viatura policial que conduzia os feridos e preenchia os boletins de ocorrência como sendo de vítimas de acidentes comuns.

A truculenta ação da Polícia Militar de Minas Gerais contra a pacífica reivindicação dos estudantes pelo meio-passe, combinada com o revoltante descaso e descompromisso do prefeito Athos Avelino e seu vice, Sued Botelho, indicam que as autoridades estaduais e municipais não querem o diálogo e zombam da democracia como instrumento legítimo e legal para se resolver as questões de interesse social. O Sinpro Minas, a CTB, a Contee, a União Popular de Mulheres, UNEGRO (União de Negros pela Igualdade), UNE, UEE, UBES, UJS e UCMG se solidarizam com a legítima reivindicação dos estudantes de Montes Claros e repudiam veementemente a ação repressiva e covarde da PMMG e a atitude inconseqüente e politicamente incorreta do prefeito e vice-prefeito da cidade. O impasse da meia-passagem estudantil não pode ser tratado com balas de borracha, bombas de gás lacrimogêneo e prisões arbitrárias.

Por Marco Eliel – Diretor do Sinpro Minas Participante da manifestação em MOC

Fotos: Rodrigo de Paula 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha