Notícias

Posicionamento público contra o relatório final do PNE

15 de maio de 2013

O texto do novo Plano Nacional de Educação (PNE), tal como foi votado pela Câmara dos Deputados no ano passado, embora não tenha contemplado questões cruciais como a criação do Sistema Nacional de Educação (SNE) – dentro do qual estaria inserida e regulamentação da educação privada no Brasil -, ao menos representou um avanço ao (em respeito ao que foi definido pela primeira Conferência Nacional de Educação – Conae, realizada em 2010) aprovar o investimento de 10% do Produto Interno Bruto Brasileiro (PIB) em educação pública.

Entretanto, o relatório final apresentado no último dia 9 de maio pelo senador José Pimentel (PT-CE) à Comissão de Assuntos Econômicos do Senado e que está incluído da pauta de hoje, 14 de maio, da referida comissão, retira da meta 20 da proposta a exigência de que os investimentos públicos sejam feitos exclusivamente na educação pública, abrindo as portas para o escoamento de verbas públicas para o setor privado. Com isso, contrariando as expectativas e as reivindicações da própria sociedade, que há cerca de oito meses aguarda a votação do PNE no Senado, o relatório, além de não apresentar avanços no que foi aprovado pela Câmara – deixando, mais uma vez, de incluir o SNE, fundamental para garantir uma educação de qualidade, socialmente referenciada e para todos – ainda desconstrói o texto, desestruturando aquilo que já havia sido conquistado.

Entre outras questões, o relatório, nas metas 11 e 12, no lugar de defender a expansão da educação pública, troca-a pela ampliação da oferta de vagas gratuitas, o que, na prática, representa a instituição de um Plano Nacional de Educação que abre mão da responsabilidade da União e concentra-se em apoiar o avanço mercantil/privatista via programas como o Universidade para Todos (ProUni), o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A Contee reconhece a importância de tais programas, mas como políticas de governo emergenciais e transitórias, que não podem ser substitutas dos investimentos na expansão e na qualidade da educação pública. No entanto, o relatório trata o setor privado como “indispensável” à educação brasileira e à garantia da oferta de vagas, principalmente no ensino superior, o qual tem sofrido sucessivos golpes com o processo de financeirização, desnacionalização e, recentemente, cartelização da educação privada.

É justamente ao considerar que a participação privada é indispensável e que os repasses públicos para o setor devem ser contabilizados nos cálculos que o relatório altera, na prática, a principal vitória da tramitação na Câmara, já mencionada, fazendo o investimento direto cair dos 10% do PIB para algo em torno de no máximo 8,5%, ainda a depender do crescimento da destinação de recursos para o setor privado na próxima década.

Além disso, assim como em seu relatório preliminar apresentado em dezembro de 2012, o senador José Pimental exclui do texto a meta intermediária que determina que o investimento público em educação pública deveria alcançar um patamar equivalente a 7% do PIB até o quinto ano de vigência do PNE. A alteração elimina tanto a possibilidade de ampliação do investimento de forma mais imediata – como reivindica a sociedade – quanto os mecanismos de controle social sobre a aplicação do plano e os cumprimentos das metas, além de desresponsabilizar o atual governo e também o próximo da tarefa de ampliar os investimentos na educação.

Outra vitória que havia sido garantida pela Câmara e que agora se vê enfraquecida é a incorporação do conceito do Custo Aluno Qualidade, desobrigando o governo de implementá-lo.

Além desses enormes retrocessos, o relatório tampouco traz avanços. Em relação à destinação dos royalties do petróleo para a educação, a despeito de incluir todo o teor do Projeto de Lei nº. 5500/2013, enviado pelo Executivo em substituição a Medida Provisória 592, que foi prejudicada no seu conteúdo pela derrubado do veto sobre redistribuição dos royalties entre estados e municípios, o relator defende a medida como suficiente para complementar os recursos faltantes para chegar aos 10% do PIB – o que não é verdadeiro – e não garante que os royalties dos contratos atuais sejam destinados à educação nem altera o formato que destina apenas o dividendo da aplicação dos recursos do pré-sal.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee) reivindica que os senadores e senadoras da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) não aprovem as alterações propostas pelo senador José Pimentel, mas sim defendam um texto para o PNE que, em vez de retrocessos, assegure avanços nas conquistas garantidas na Câmara. Em que pese o fato de que o PNE ainda precisa tramitar por outras comissões da Casa, é imprescindível que o relatório apresentado no último dia 9 seja derrotado na CAE, uma vez que esta comissão influencia diretamente a decisão final sobre o financiamento da educação.

O PNE do qual o Brasil necessita é aquele definido pela sociedade civil organizada durante a Conae/2010, que garanta plenos investimentos em educação pública, de qualidade e socialmente referenciada e a criação do Sistema Nacional de Educação.

Brasília, 14 de maio de 2013.

Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino – Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha