Notícias

Prefeitura de Uberlândia censura trabalhos de alunos

13 de novembro de 2018

Para atender a alguns pais de alunos, a prefeitura de Uberlândia vetou, pela primeira vez, a participação das escolas municipais na Feira Ciência Viva, que é realizada todo ano, desde 1995, pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro e pela própria prefeitura. Todos os anos as escolas da rede estadual e da rede municipal participam com a exposição de temas ligados à ciência.

Alguns pais conservadores reclamaram a vereadores que, por sua vez, solicitaram à prefeitura que censurasse dois trabalhos de alunos de 9° ano da Escola Municipal Professor Jacy de Assis que tratavam da desigualdade de gênero. A prefeitura acabou atendendo o pedido e foi além, censurando 17 stands que seriam mostrados nos dias 12 e 13 na UFU. 

De outro lado, a proibição gerou protestos de pais e alunos. Eles lembram que o artigo 206 da Constituição  Federal garante  ao  professor e à professora o direito à liberdade de ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, arte e o saber, assegurando ainda o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas. A  liberdade de ensino  também é conhecida como liberdade de cátedra. Além disso, o  artigo 3º da Lei de Diretrizes e Bases da  Educação Nacional  reafirma os direitos constitucionais e assegura o respeito à liberdade e o apreço  à tolerância.

Diante do ato de censura, o Levante Popular da Juventude de Uberlândia divulgou nota para expressar sua indignação contra a decisão da prefeitura que, “com a atitude antidemocrática, autoritária e sem qualquer diálogo vetou um ano de produção e trabalho dos alunos para que pudessem apresentar seus resultados na Feira Viva. O Levante entende que a decisão fere a liberdade e autonomia das escolas e dos estudantes de serem agentes da sua própria história, e de sua educação”.

“Isso fere o Estado Democrático de Direito em que vivemos e só nos mostra e comprova a cada dia que nosso país caminha para um processo de veto ao diálogo, autoritarismo e descaso com a educação pública e de qualidade. Não aceitaremos esse retrocesso, essa imposição sem diálogo e toda forma de vetar os debates que são de extrema necessidade em uma sociedade que oprime maiorias e que é protagonizada pelas minorias”, diz ainda a nota.

O Levante lembra também que “o debate de gênero abordaria as desigualdades que ocorrem nas escolas hoje, percebidas, analisadas e enfrentadas pelos próprios alunos que, entendidos como pessoas protagonistas de sua própria educação, realizaram os trabalhos a fim de solucionar problemas recorrentes do tipo em suas escolas. A importância desse debate se dá na ciência que habita nele, na identificação dos problemas sociais a fim de repará-los e avançarmos na igualdade social em uma sociedade mais justa e melhor para todos. A juventude não se calará. Permaneceremos em luta e em apoio àqueles que sofreram diretamente esse veto, entendendo que todos sofremos juntos as consequências dessas atitudes autoritárias” finaliza.

O Sinpro, por meio de sua Assessoria de Imprensa, entrou em contato com a Prefeitura de Uberlândia na tarde do dia 12 para ouvir suas razões para o veto e até o final da tarde desta terça-feira, 13, não havia recebido retorno, apesar dos insistentes pedidos.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha