Notícias

Pressão contra Fundeb ameaça recursos a escolas que mais precisam

17 de agosto de 2020

Mecanismo que acaba com a barganha política em torno de verbas enfrenta jogo de interesses no Senado

Aumenta a pressão no Senado contra a implementação do mecanismo de Custo Aluno-Qualidade (CAQ). Considerado um dos avanços aprovados pela Câmara, em julho, na proposta que incluiu o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) na Constituição Federal, tornando-o permanente, o CAQ divide parte dos senadores, e até prefeitos e governadores, além de setores educacionais.

O CAQ é uma métrica de investimentos que adota parâmetros como a variedade e quantidade mínimas de recursos materiais e humanos indispensáveis ao ensino-aprendizagem. É um sistema que vai fazer com que os recursos cheguem às escolas que mais precisam. E também, aumentar o investimento mínimo por aluno, que deve subir dos atuais R$ 3.700 para R$ 5.700, gradativamente, até 2026.

O principal argumento contra o CAQ é que o mecanismo levaria a um processo de judicialização que, na prática, impediria os gestores escolares de efetivar políticas públicas. A ONG Todos pela Educação, uma das organizações que encabeçam a oposição ao CAQ, fala ainda na falta de consideração do parâmetro sobre as diversidades regionais e conjunturais dos estabelecimentos de ensino.

Jogo de interesses
A proposta que tornou o Fundeb permanente, por exemplo, garantiu que houvesse um aumento da complementação do governo federal a esse fundo, passando de 10% para 23% de aporte da União. Mas para que esse repasse chegue de fato às escolas é preciso que o CAQ dê os parâmetros. “O que o mecanismo de fato garante é que esse recurso saía de sua origem no Fundeb e vá diretamente para a escola, para que a gente consiga garantir todos esses insumos de qualidade”, explica a coordenadora-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Andressa Pellanda.

A campanha é a responsável pelo desenvolvimento do CAQ e contesta as críticas de indiferença às realidades regionais. De acordo com a organização, o mecanismo certifica um parâmetro mas, ao final, na implementação, cada rede fará sua precificação. O intuito é fazer com que a legislação brasileira de educação, considerada uma das mais avançadas no mundo, seja de fato posta em prática.

Em entrevista ao jornalista Glauco Faria, no Jornal Brasil Atual, Andressa avalia que a resistência ao custo aluno-qualidade é por parte daqueles que usam a educação para fazer “barganha” política, uma vez que o CAQ transforma programas de governo em política de estado. “Ele acaba com esse processo de barganha e tem muitas pessoas que não são interessadas em que isso acabe”, afirma.

Outro fato que também estaria pesando seria o mecanismo de fortalecer o papel público na educação, avalia a coordenadora-geral. “Existem algumas instituições que defendem um olhar mais privatista”, ressalta. Andressa também chama de “equívoco e de não compreensão” o “terrorismo” que a ONG Todos pela Educação faz com a crítica de judicialização. Segundo ela, ao contrário, o mecanismo daria segurança aos gestores das escolas.

Governo que asfixia a educação
“Ele serve para um modelo de gestão melhor dessa educação. Ele ajuda o bom gestor. É claro que o mau gestor não será ajudado, justamente o contrário, o mecanismo ajuda a ter o controle. Então se o mau gestor quiser desviar esse recurso isso vai ser ainda mais rastreável pelo próprio CAQ”, defende.

O entendimento de que hoje, sem o custo aluno-qualidade, o orçamento é desviado para outras áreas, ou até para a educação, também é destacado pelo Ministério Público e os tribunais de contas, que apoiam a inclusão do mecanismo. Apesar da pressão, as entidades ainda esperam que o CAQ seja mantido no texto, já que qualquer mudança no Senado atrasaria ainda mais a discussão.

O primeiro revés após a aprovação do Fundeb permanente entre os deputados, no entanto, já veio. O governo Bolsonaro propôs um corte de 18% no orçamento da educação no próximo ano. O que, conforme apontou reportagem da RBA, poderá neutralizar os ganhos do novo Fundeb. “Temos falado muito que o Ministério da Educação faz o papel de fantoche. Quem muitas vezes dita a agenda para a educação é o Ministério da Economia, sob Paulo Guedes, que retrai os recursos, asfixiando qualquer possibilidade de política pública com qualidade para a área”, contesta a coordenadora-geral da Campanha Todos pela Educação.

Fonte: Rede Brasil Atual 

Foto: EBC 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha