Notícias

Pressão de trabalhadores adia mais uma vez votação do PLS 555

17 de fevereiro de 2016

Trabalhadores ocuparam o Senado nesta terça (16), num ato de protesto contra o PLS 555, projeto de lei que ameaça as estatais brasileiras. Integrantes das centrais sindicais CTB, CUT, Nova Central, Intersindical, CSP-Conlutas e entidades que compõem o Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas estiveram pela manhã nos gabinetes buscando o apoio dos senadores para impedir a aprovação da proposta que, se aprovada, abre caminho para a privatização do patrimônio público.

O grupo foi informado que, devido a mobilização, a votação foi adiada mais uma vez. Impedidos de entrar no plenário, os manifestantes aguardaram nas escadas de acesso até a confirmação do adiamento. Ainda não foi divulgada nova data de apreciação.

“A notícia do adiamento não nos deixa totalmente satisfeitos pois o PLS continua na pauta, em regime de urgência e a aprovação é iminente. Vamos manter a guarda e seguir com a pressão”, afirmou Rita Serrano, coordenadora do Comitê.

Segundo Rita, ainda hoje pode ser votado mais um projeto nocivo – o PLS 131, de autoria do senador tucano, José Serra, que propõe uma participação mínima da Petrobrás na exploração do pré-sal. “É bombardeio por todos os lados, precisamos estar atentos. Se baixarmos a guarda pode ser o fim”, declarou Serrano.

Representando a CTB, Emanoel Souza, presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, disse que a agenda em pauta no Senado é neoliberal. “É contra os interesses dos trabalhadores e do País. O texto do Tasso (relator do PLS 555) é a lógica privatista da destruição do Estado. O que a CTB defende é o arquivamento e a abertura de uma discussão. Já que isso não é possível, que o texto-base para a negociação seja o substitutivo do Requião”, ressaltou Emanoel.

Para o Secretário do Serviço Público e dos Trabalhadores Públicos da central, João Paulo Ribeiro, “essa temática não pode ser feita por uma Agenda Brasil, na calada da noite pelos senadores sem nenhum debate com a sociedade. Tem que ser regulamentado o estatuto das estatais? Nós podemos ir para o debate. Agora tem que ser de forma democrática, tem que ouvir as nossas propostas”, disse JP.

Em reunião ocorrida ontem (15), a equipe do Comitê montou uma agenda de mobilizações e definiu estratégias para eliminar o PLS 555 da pauta do Congresso. A intenção é buscar ainda o apoio de autoridades nos estados e municípios do País, a fim de fortalecer a luta contra a aprovação da proposta. Os dirigentes sindicais critiram a atitude do Governo Federal em não ter se manifestado ainda em relação ao PLS 555. Os sindicalistas esperam que o governo se posicione firmemente contra o projeto.

Avanços

A pressão dos membros do Comitê aos parlamentares obteve resultados. Até o momento 31 senadores manifestaram apoio ao substitutivo de autoria do senador Roberto Requião (PMDB), que ameniza os efeitos nocivos da proposta. São necessários 41 votos para impedir a aprovação do PLS 555. O texto alternativo proposto por Requião altera 20 medidas prejudiciais contidas projeto, entre elas, a que permite transformar estatais em sociedades anônimas apenas pela aprovação dos conselhos de administração de cada empresa.

Veja mais:

Centrais se unem contra PLS 555

 

Fonte: Portal CTB –  Ruth Helena de Souza

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha