Notícias

Professores da França entram em greve durante surto de Covid-19

13 de janeiro de 2022

Cerca de 75% dos professores do ensino primário e fundamental paralisaram atividades nesta quinta-feira (13)

Sindicatos da educação convocaram a uma paralisação nacional, nesta quinta-feira (13), contra a volta às aulas presenciais durante um novo surto de covid-19 na França. Cerca de 75% dos professores do ensino infantil, primário e fundamental aderiram à greve. Os trabalhadores denunciam que o governo não atende suas demandas e sequer respeita os protocolos sanitários que já havia estabelecido para o retorno presencial no dia 3 de janeiro.

“Manter as escolas abertas é um desejo compartilhado, mas proteger toda a comunidade educacional (funcionários, alunos e famílias) também deve ser”, afirma em comunicado o Sindicato Nacional Unitário de Instrutores, Professores de Escolas infantis e Primárias (Snuipp).

A França é um dos países mais afetados pela nova onda de contágios desencadeada pela variante ômicron. Nas últimas 24 horas foram contabilizados 338.858 infectados para um total de 12,2 milhões contágios e 123 mil mortos desde o início da pandemia, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Apesar de ter imunizado 74% da população, cerca de 5 milhões de franceses recusam vacinar-se.

Segundo dados oficiais, em uma semana de aulas, 50 mil estudantes testaram positivo para covid-19. Diante do adoecimento de professores, o Ministério está convocando aposentados para dar aulas.

O primeiro-ministro Jean Castex havia declarado a meios de comunicação locais, na última segunda-feira (10), que o novo protocolo sanitário previa até três autotestes de covid-19 por aluno, quando fosse identificado um caso positivo em sala de aula. Caso contrário, seria necessário apenas uma certidão dos pais alegando que o aluno estaria saudável e apto para comparecer às aulas.

Antes da nova flexibilização, os pais eram obrigados a buscar os filhos nas escolas para realizar um exame do tipo PCR, caso fosse detectado um caso positivo. A escassez de testes, diante do aumento da demanda, também aumentou a evasão escolar.

Os docentes afirmam que o procedimento é confuso e não está sendo seguido, o que expõe alunos, professores e familiares ao vírus.

O sindicato propõe que ao detectar um caso positivo, a turma completa seja enviada para casa, já que asseguram ser insustentável a manutenção do ensino híbrido com a quantidade de alunos flutuando diariamente.

Além disso, exigem que o Estado forneça máscaras cirúrgicas aos estudantes e máscaras do tipo PFF2 aos trabalhadores. O grêmio afirma que todas as propostas foram entregues há 18 meses ao Ministério de Educação.

Pela primeira vez, as manifestações docentes são apoiadas por associações de pais e diretores de instituições.

Fonte: Brasil de Fato / Foto: Snuipp 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha