Notícias

Professores de BH e região encerram greve vitoriosa

13 de setembro de 2023

Em assembleia nesta quarta-feira (13/9), professores de escolas particulares de Belo Horizonte e região (cidades de abrangência da CCT/MG) decidiram encerrar a greve, que começou na última quarta-feira.

A categoria aceitou a proposta formulada hoje pela Justiça, na audiência de mediação realizada no Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

De acordo com a proposta, as cláusulas da isonomia salarial e da férias foram mantidas como estão, sem nenhuma alteração.

Já a cláusula do Adicional por Tempo de Serviço será alterada. Com isso, os percentuais acrescidos à remuneração dos docentes em função do tempo de trabalho passarão a ser de 4%, 8,5%, 10%, 15%, 20% e 25% a cada 5, 10, 15, 20, 25 e 30 anos de serviço, respectivamente. Essa alteração somente será válida a partir de março do ano que vem.

Em relação à cláusula econômica, a proposta prevê um reajuste de acordo com o INPC (4,36%), a partir de 1° de outubro, mais três parcelas de 9%, a serem pagas como abono para os docentes que não receberam antecipação, nos meses de outubro, novembro e dezembro.

Ficou acordado ainda no TRT que não haverá qualquer tipo de represália aos professores e professoras que aderiram ao movimento, sendo proibido o corte dos dias parados.

Também foi referendado, conforme aprovado pela categoria em assembleia no mês de julho, um percentual como contribuição assistencial.

“Os professores e professoras estão de parabéns. Demonstraram mais uma vez sua força, união e coragem, e a greve foi extremamente vitoriosa. Foi somente a partir da paralisação das atividades que conseguimos essa intermediação da Justiça, e quem acompanhou a mediação pôde ver nitidamente como os donos de escolas agem com tanto desrespeito. Mas a luta continua contra essa política de retrocessos, e não vamos abrir mão de lutar pela valorização dos professores e professoras, que demonstram pra toda a sociedade que a categoria exige respeito e valorização”, afirmou Valéria Morato, ao destacar e agradecer o apoio de tantos pais e alunos que categoria recebeu durante a greve.

COMENTÁRIO

4 respostas

  1. O reajuste foi muito pouco.
    E deveria ser retroativo a janeiro.
    Escola privada valoriza menos os professores do que escolas públicas.

    1. Concordamos. Porém o retroativo não tem como ser a janeiro. Nossa data base é 1º de abril. O retroativo a abril vamos receber em forma de abono.

  2. Por que há diferenças de acordos por regiões? O Sinpro não é para toda Minas Gerais? Aqui no triângulo é tudo mais difícil. Voltamos em janeiro dia 26 pra ficar arrumando escola. Absurdo!

    1. Porque são Sinepes diferentes. No triângulo é outro Sinepe. Então é outro acordo. Lembramos que a categoria do Triângulo aprovou isso em assembleia. Pedimos para todos participarem sempre desde o início das assembleias pra poderarem durante as mesmas, visando a uma melhor decisão coletiva.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha