Notícias

Professores de BH e região marcam assembleia com indicativo de greve

25 de abril de 2022

Em assembleia nessa terça-feira (19/4), professores de escolas particulares de Belo Horizonte e cidades de abrangência da CCT MG voltaram a rejeitar a contraproposta apresentada pelos donos de escolas nas negociações da campanha reivindicatória deste ano.

Os docentes também autorizaram o Sinpro Minas a continuar a negociar com o patronal (Sinep/MG), a partir da pauta apresentada pela categoria, e agendaram uma nova assembleia, com indicativo de greve, para o dia 30 de abril (sábado), às 14 horas.

Essa assembleia será somente presencial, no auditório do Sinpro Minas (Rua Jaime Gomes, 198 – Floresta – BH).

Na última reunião de negociação, os donos de escolas mantiveram a contraproposta anterior, que prevê uma série de itens que retiram direitos históricos dos professores e precarizam as condições de trabalho da categoria. Por exemplo, eles querem acabar com a cláusula da isonomia salarial, reduzir o valor do adicional por tempo de serviço, alterar férias e recessos e retirar bolsas de estudos para parcela expressiva da categoria (confira abaixo).

Em relação ao reajuste, eles ofereceram apenas 5% para a educação básica e 4% para o ensino superior – índices bem abaixo da inflação oficial.

“Essa é uma proposta absurda, que desvaloriza o trabalho docente e não reconhece toda nossa dedicação para manter o ensino de qualidade. Vivemos em um cenário de sobrecarga de atividades, de pressão por parte das escolas, de salas de aula bem cheias, de aumento dos preços em geral e de queda na renda. Sem contar que o reajuste das mensalidades superou o índice da inflação, na grande maioria das instituições de ensino. Por isso não aceitaremos retrocessos e vamos ampliar a nossa luta pela valorização profissional”, destacou Valéria Morato, presidenta do Sinpro Minas.

De acordo com levantamento do site de pesquisa Mercado Mineiro, o valor das mensalidades escolares na capital subiu em média acima de 10%, e os indicadores oficiais do governo mostram que a inflação fechou o ano passado com a maior alta desde 2015.

Na assembleia dessa terça, realizada de forma híbrida (virtual e presencial), os professores reafirmaram a pauta de reivindicações da categoria. Ela prevê recomposição salarial de acordo com o INPC mais o acumulado desde 2020, um ganho real de 5%, manutenção dos direitos previstos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), regulamentação do trabalho virtual, proibição da dispensa coletiva e da contratação precária, entre outros pontos de valorização profissional.

Indignação
Os professores também manifestaram indignação com a contraproposta dos donos de escolas e ressaltaram que ela representa um desrespeito e uma exploração do trabalho docente. Eles ainda relataram situações de exaustão, em decorrência da sobrecarga de atividades e das cobranças por parte da direção escolar.


Paralisação das atividades
“Ao invés de reconhecer toda a dedicação dos professores e valorizar a categoria, o patronal insiste em retirar direitos históricos e precarizar nossas condições de trabalho e vida. Isso é inadmissível. Vamos ampliar a mobilização e, se for preciso, voltaremos a paralisar as atividades, de forma bem abrangente, assim como fizemos em 2018”, ressaltou Valéria Morato.


Assembleia presencial de professores de BH e cidades de abrangência da CCT MG

Data: 30 de abril (sábado)
Horário: 14 horas

Local: Sinpro Minas (Rua Jaime Gomes, 198 – bairro Floresta, BH)

COMENTÁRIO

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha