Notícias

Professores de Varginha denunciam assédio eleitoral em colégio

19 de outubro de 2022

O Colégio Adventista de Varginha, no Sul de Minas, está obrigando seus professores, demais funcionários e alunos a usar uma camisa amarela com o número 22 nas costas, provocando constrangimento e revolta nos profissionais do estabelecimento diante do evidente assédio eleitoral. Como se sabe, a cor amarela vem sendo usada pelo candidato à reeleição Jair Bolsonaro à Presidência da República, e o 22 é o seu número a ser digitado na urna eletrônica. Diante disso, a presidenta do Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro Minas), Valéria Morato, denunciou hoje o caso ao Ministério do Trabalho e Previdência.

E hoje mesmo, a Superintendência Regional do Trabalho em Minas Gerais, por meio da gerente Regional do Trabalho em Varginha, Túlio Borges Duarte, marcou para as 10 horas desta sexta-feira, 21, uma reunião de mediação para que o conflito seja resolvido.

“Precisamos que todos vocês instalem o App Pardal Eleitoral no celular e façam uma denúncia de que o Colégio Adventista de Varginha comprou camisetas do Brasil para os alunos e funcionários e, sem consulta prévia, colocou o número 22 nas costas de todas as camisetas” denunciou anonimamente uma pessoa do quadro de funcionários do colégio. “Isso gerou uma insatisfação entre pais, alunos, professores e configura assédio eleitoral. Alguns pais se recusaram a retirar a camiseta mas os funcionários foram coagidos, inclusive já usaram no domingo, 16, que foi letivo. Favor anexar as fotos”, completou a pessoa que tornou o caso público.

Coação eleitoral

Este é mais um caso de coação eleitoral entre dezenas de outras denúncias registradas em Minas. Entre o dia 23 de setembro até a última segunda-feira, 17, o Ministério Público do Trabalho em Minas Gerais (MPT-MG) abriu 58 procedimentos administrativos para investigar denúncias de coação eleitoral em Belo Horizonte e em cidades do interior. A prática do assédio eleitoral é caracterizada a partir de “uma conduta abusiva que atenta contra a dignidade do trabalhador, submetendo-o a constrangimentos e humilhações, com a finalidade de obter o engajamento subjetivo da vítima em relação a determinadas práticas ou comportamentos de natureza política durante o pleito eleitoral”, diz Nota Técnica do setor.

Reportagem: Portal Vermelho / Aloísio Morais 

 

Curiosamente, todas as camisas do colégio ostentam o número 22 nas costas – Reprodução de redes sociais

 

Direção do colégio foi convocada para uma reunião de mediação a ser realizada nesta sexta-feira

 

COMENTÁRIO

3 respostas

  1. A Igreja Adventista é uma organização hierárquica de estrutura rígida e autoritária. O que dizem os departamentais de Educação da Associação, União, Divisão e Conferência Geral sobre esta lamentável situação?

  2. Fui adventista na infância, levando a ofertinha para construir colégios. Só depois de muito estudo, descobri que os tais colégios não eram para minha classe social. Como diz uma certa canção ” Eu nem posso olhar pro prédio que ajudei a fazer”… Graças à IASD, sou agnóstico hoje.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha