Notícias

Professores do Sudeste exigem valorização profissional e manutenção dos direitos

10 de fevereiro de 2022

Categoria se mobiliza diante da intransigência dos donos de escolas e faz assembleia virtual no dia 18/2

Os professores do setor privado da região Sudeste-MG estão em campanha reivindicatória para conquistar melhores condições de trabalho e de vida. Na região, os docentes estão há dois anos sem a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) assinada. A CCT é o contrato que assegura os direitos da categoria.

Desde o início de 2020, o sindicato patronal (Sinepe Sudeste) se recusa a fechar um acordo. Várias reuniões de negociação já foram feitas e, em todas elas, os donos de escolas reafirmam que, para que isso ocorra, é preciso retirar ou precarizar direitos históricos dos professores. Querem, por exemplo, reduzir o adicional por tempo de serviço dos atuais 5% para 3% e alterar os períodos de férias e de recesso da categoria, entre outras mudanças muito prejudiciais aos professores e ao ambiente escolar.

Como se não bastasse, os donos de escolas insistem em alterar o critério de distribuição de bolsas. A intenção deles é adotar um critério econômico seletivo que, ao final, reduz significativamente o percentual de bolsas e faz com que muitos professores percam o direito de requerer o benefício.

Na avaliação da diretoria do Sinpro Minas, essa é uma forma de, em curto prazo, acabar com as bolsas para professores que não trabalham na mesma escola onde estuda seu filho, a chamada “bolsa para fora da casa” – um direito conquistado pela categoria desde a década de 50.

Vale lembrar que, no ano passado, o Sinepe Sudeste chegou a dizer, em nota divulgada às instituições, que para os professores de outros estabelecimentos de ensino (os “fora da casa”), “a recomendação é não aceitar os requerimentos de bolsas do Sinpro Minas”.

O patronal também se recusa a conceder um reajuste salarial à categoria, mesmo após as escolas terem aumentado as mensalidades escolares.

Nesses últimos anos de intransigência patronal, o Sinpro Minas ajuizou dissídio coletivo, instrumento por meio do qual pede-se que a Justiça julgue as reivindicações apresentadas pelos professores. Ocorre que a Justiça não julgou e exigiu o comum acordo, ou seja, o sindicato patronal deve concordar que as reivindicações sejam analisadas pelo Tribunal. No entanto, o fato é que Sinepe Sudeste prefere que os professores continuem sem Convenção e que as escolas permaneçam num ambiente de indefinição e insegurança.

Sindicato patronal empurra professores para greve
“Estamos em um impasse criado pelo sindicato patronal, com o nítido objetivo de precarizar as condições de trabalho e de vida dos professores da região Sudeste. Frente a esse quadro, não temos outra saída a não ser ampliarmos nossa mobilização e paralisarmos as atividades docentes. Exigimos respeito e valorização profissional, pois nos dedicamos diariamente à construção de uma educação de qualidade, mesmo diante de todas as adversidades”, ressaltou a presidenta do Sinpro Minas, Valéria Morato, ao destacar que o sindicato não medirá esforços para defender os direitos da categoria.


Assembleia de professores do Sudeste-MG

Data: dia 18 de fevereiro (sexta-feira)

Horário: 17h30

Local: sala virtual do zoom

Entrar na reunião Zoom
https://us02web.zoom.us/j/81893200466?pwd=eUxPK1NuNXczM25EYjBqTm1INlZRdz09
ID da reunião: 818 9320 0466
Senha de acesso: 923646
 

Sua participação é fundamental!

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha